Busca avançada
Ano de início
Entree

Decifrando as interações Aedes aegypti-hospedeiro vertebrado ao nível da pele usando imageamento por espectrometria de massas

Processo: 19/10839-4
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Pesquisa
Vigência (Início): 01 de agosto de 2019
Vigência (Término): 31 de julho de 2020
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Parasitologia - Entomologia e Malacologia de Parasitos e Vetores
Pesquisador responsável:Anderson de Sá Nunes
Beneficiário:Anderson de Sá Nunes
Anfitrião: Carlos Henrique Cardoso Serezani
Instituição-sede: Instituto de Ciências Biomédicas (ICB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Local de pesquisa : Vanderbilt University (VU), Estados Unidos  
Assunto(s):Saliva   Modelo experimental   Aedes aegypti   Inflamação

Resumo

Aedes aegypti é uma espécie de mosquito urbana transmissora de arbovírus causadores de doenças como a febre amarela, dengue, chikungunya e Zika. Ao se alimentar no hospedeiro vertebrado, o Ae. aegypti insere suas peças bucais na pele e a saliva depositada nesse microambiente auxilia a localização dos vasos sanguíneos e neutraliza moléculas e células residentes responsáveis pela hemostasia, inflamação e respostas imunes do hospedeiro. A saliva do Ae. aegypti também desencadeia inflamação cutânea alérgica e está associada ao aumento da infectividade viral. Questões frequentes e não respondidas sobre as interações Ae. aegypti-hospedeiro vertebrado estão relacionadas ao ambiente imunológico criado pela saliva do mosquito na pele do hospedeiro, a quantidade efetiva de saliva que alcança o tecido durante o repasto sanguíneo e a dinâmica de sua distribuição ao longo do tempo. No presente projeto, propomos responder esses aspectos com o uso de imageamento por espectrometria de massas, uma técnica poderosa capaz de fornecer a distribuição espacial de milhares de moléculas não marcadas em amostras de tecidos. Uma colaboração foi estabelecida com o Dr. Carlos Henrique Serezani e o Dr. Julian F. Hillyer da Vanderbilt University, para avaliar o ambiente da pele em decorrência das picadas do Ae. aegypti, tendo o apoio do Centro de Pesquisa em Espectrometria de Massas da instituição. Esperamos revelar a dinâmica espacial e temporal da distribuição da saliva do mosquito na pele, quantificar a saliva inoculada in situ e criar um mapa tridimensional das células inflamatórias em decorrência da picada do mosquito. Esses achados irão contribuir para refinar nosso entendimento sobre as interações mosquito-hospedeiro vertebrado em nível molecular.