Busca avançada
Ano de início
Entree

Canabinóides no circuito amigdaliano-parabraquial e a regulação da dor

Processo: 19/12439-3
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Doutorado
Vigência (Início): 01 de outubro de 2019
Vigência (Término): 30 de setembro de 2020
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Psicologia - Psicologia Fisiológica
Pesquisador responsável:Christie Ramos Andrade Leite Panissi
Beneficiário:Gleice Kelli Ribeiro da Silva Cardoso
Supervisor no Exterior: Asaf Keller
Instituição-sede: Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Local de pesquisa : University of Maryland, Baltimore (UMB), Estados Unidos  
Vinculado à bolsa:18/06877-5 - Tratamento sistêmico com canabidiol em modelo de dor neuropática: avaliação dos componentes sensorial-discriminativo e emocional-motivacional da sensibilidade dolorosa, BP.DR

Resumo

A dor neuropática, desenvolve-se como consequência de uma lesão ou doença que afeta as vias somatossensoriais no sistema nervoso periférico ou central e acompanha muitas doenças sistêmicas. Entre os sistemas neuroquímicos de modulação da dor, o sistema canabinoide é um importante sistema endógeno que participa do circuito da sensibilidade dolorosa, funcionando paralelamente ao sistema opioide e desempenhando papéis cruciais no desenvolvimento e resolução dos estados álgicos, bem como nos aspectos afetivos e cognitivos. aspectos da dor. Os sinais nociceptivos originados da periferia são transportados para o cérebro através de vias aferentes e ascendentes específicas. A via spino- (trigemino-) parabrachio-amigdalóide é uma das principais vias mediadoras de sinais de neurônios ascendentes específicos desde a nocicepção até a amígdala central, uma estrutura límbica envolvida em respostas emocionais associadas ao sinal aversivo, incluindo os aspectos emocionais da dor. Evidências implicaram a amígdala na modulação da dor, e parece que a amígdala está criticamente envolvida tanto no aumento da dor (hiperalgesia) quanto na redução da dor (hipoalgesia ou analgesia). A parte capsular da amígdala central (CeC) é chamada de "amígdala nociceptiva", pois recebe informações nociceptivas de várias vias, incluindo a entrada monossináptica do núcleo parabraquial lateral (LPB), um dos principais alvos dos neurônios ascendentes na medula espinhal. e chifre dorsal. Assim, com base na literatura, investigaremos a hipótese de que o receptor CB1 regula de forma pré-sináptica a liberação de GABA dos estímulos da amígdala nos neurônios parabraquiais para suprimir a dor em um modelo de dor crônica (constrição do nervo infra-orbital). Pretendemos compreender os mecanismos que estariam envolvidos na modulação da dor neuropática e relacionados à neurotransmissão endocanabinóide na projeção inibitória da amígdala ao núcleo parabraquial.