Busca avançada
Ano de início
Entree

Impacto da administração local de antagonistas de receptores dopaminérgicos D1 e D2 no potencial local de campo (LFP) estriatal evocado por estimulação cortical

Processo: 19/13519-0
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Iniciação Científica
Vigência (Início): 26 de agosto de 2019
Vigência (Término): 25 de novembro de 2019
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Farmacologia - Neuropsicofarmacologia
Pesquisador responsável:Fernando Eduardo Padovan Neto
Beneficiário:Carlos Henrique Zanello Talarico
Supervisor no Exterior: Kuei Y Tseng
Instituição-sede: Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Local de pesquisa : University of Illinois at Chicago (UIC), Estados Unidos  
Vinculado à bolsa:18/24428-3 - Análise da atividade espontânea e evocada por estimulação cortical dos neurônios espinhosos médios estriatais durante a ocorrência das discinesias induzidas pela L-DOPA, BP.IC
Assunto(s):Eletrofisiologia   Doença de Parkinson

Resumo

Os potenciais de campo locais (LFPs) são gerados por grandes populações de neurônios e se assemelham a uma soma de sinais de neurônios presentes na vizinhança do eletrodo de registro e representam uma técnica cada vez mais usada para medir a transmissão de redes neurais. Nosso laboratório no Brasil utiliza modelos animais da doença de Parkinson para investigar o impacto da administração crônica crônica de levodopa sobre o comportamento e propriedades eletrofisiológicas envolvidas no processo de informação motora. Utilizamos técnicas de eletrofisiologia para estudar os neurônios localizados no estriado (a principal estrutura de entrada dos gânglios da base) e como eles respondem às conexões aferentes que surgem do córtex motor. Estamos interessados em estudar os efeitos do córtex motor na geração de LFPs no estriado, que é uma ferramenta forte para o estudo do cérebro. Nossos objetivos são aprender os procedimentos necessários para realizar a LFP evocada no estriado por estimulação cortical e combinar essa técnica com a administração local de drogas, especificamente antagonistas D1 (SCH23390) ou D2 (eticlopride) e aplicar essa técnica em nosso atual projeto em andamento . A implicação deste projeto proporcionará avanço no desenvolvimento e conhecimento das disfunções neurológicas associadas à DP e a importância de compreender os mecanismos de ação de drogas com potencial terapêutico.