Busca avançada
Ano de início
Entree

The Man Who Sold the World: David Bowie e a crise no underground londrino

Processo: 19/12456-5
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de agosto de 2019
Vigência (Término): 31 de julho de 2020
Área do conhecimento:Ciências Humanas - História - História Moderna e Contemporânea
Pesquisador responsável:José Adriano Fenerick
Beneficiário:José Cesar Fernandes Gomes
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Humanas e Sociais (FCHS). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Franca. Franca , SP, Brasil
Assunto(s):História da cultura   Contracultura   Músicos   Rock (música)

Resumo

Lançado em novembro de 1970, o álbum The Man Who Sold The World, do músico inglês David Bowie se situava em um contexto no qual a utopia hippie do "verão do amor" já entrava em um processo de desconfiguração e o rock como uma forma de expressão que abarcava diversos aspectos musicais ligados a contracultura já se incorporava profundamente a cultura de massa. Desse modo, o presente projeto pretende trazer à discussão em que medida a música de Bowie faz referência e contesta os elementos próprios da cena musical underground dos anos 1960, ao passo que trata de questões próprias da década de 70. Assim, a discussão é feita a partir da análise da conduta de David Bowie a respeito da experimentação musical e seu diálogo com as práticas musicais contemporâneas ao lançamento de seu álbum The Man Who Sold The World, usando o conceito de mediação desenvolvido pelo sociólogo Raymond Willians na obra Marxismo e Literatura, de 1971.