Busca avançada
Ano de início
Entree

O repertório tipográfico da tipografia Hennies: contribuições para a memória gráfica paulistana

Processo: 19/07566-6
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de agosto de 2019
Vigência (Término): 31 de julho de 2021
Área do conhecimento:Ciências Sociais Aplicadas - Desenho Industrial - Programação Visual
Pesquisador responsável:Priscila Lena Farias
Beneficiário:Jade Samara Piaia
Instituição-sede: Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Tipografia   Artes gráficas   História do design   Design gráfico   Memória gráfica

Resumo

Apesar de ter iniciado suas atividades somente em 1827, o setor gráfico na cidade de São Paulo se expande principalmente no século XX, configurando a capital como um pólo editorial e gráfico, com tipografias, clicherias e litografias. Há uma escassez de registros e ainda muitas lacunas em aberto no campo de estudos sobre os artefatos gráficos produzidos nesse primeiro século de impressão com tipos móveis, tanto no país quanto mais especificamente em São Paulo. É nesse contexto das oficinas tipográficas paulistanas, com atuação do final do século XIX ao XX, que se insere a Tipografia Hennies, objeto desta pesquisa. Durante o período em atividade, a empresa, iniciada em 1891 pelo imigrante alemão Heinrich Hennies e seu irmão Teodoro Hennies, passou por três gerações até o encerramento de suas atividades em 1992. Com objetivo de levantar dados sobre a produção tipográfica paulistana, em particular sobre a Tipografia Hennies, a pesquisa visa trazer à tona o repertório tipográfico desta gráfica, investigando suas origens e influências, passando por sua trajetória centenária, contribuindo para estudos em memória gráfica e cultura material deste recorte geográfico e temporal. Fontes primárias, tais como publicações impressas, livros e periódicos, bem como catálogos de materiais gráficos podem revelar dados importantes sobre os artefatos produzidos por esta gráfica e sobre o repertório tipográfico disponível. O acervo privado dos herdeiros da família Hennies, composto por documentos e fotografias, bem como as entrevistas concedidas pelo último proprietário da empresa são importantes fontes de dados acerca da trajetória dessa empresa, que se mostra de grande importância para a compreensão da formação do campo gráfico de São Paulo.