Busca avançada
Ano de início
Entree

Variabilidade da composição isotópica da precipitação na porção Central do Estado de São Paulo com base na análise Intra-eventos

Processo: 19/03467-3
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de agosto de 2019
Vigência (Término): 31 de julho de 2022
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Geociências - Geologia
Pesquisador responsável:Didier Gastmans
Beneficiário:Vinícius dos Santos
Instituição-sede: Centro de Estudos Ambientais (CEA). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Rio Claro. Rio Claro , SP, Brasil
Assunto(s):Precipitação   Hidrologia isotópica   Isótopos estáveis   Mudança climática

Resumo

Isótopos estáveis de hidrogênio (1H/2H) e oxigênio (16O/17O/18O) constituem excelentes traçadores da movimentação da molécula da água ao longo do ciclo hidrológico, sendo utilizados como ferramentas auxiliares na interpretação das origens dos fluxos dentro de bacias hidrográficas, dos controles climáticos sobre a precipitação e a origem de águas subterrâneas, o que possibilita a sua utilização em estudos de reconstituição paleoclimáticas. Em áreas tropicais, os fatores climáticos, que governam a composição isotópica da precipitação permanecem como uma questão controversa na comunidade científica, enquanto alguns autores propõem que a composição isotópica da precipitação é influenciada por aspectos de processos de escala regional, outros advogam a importância da dinâmica climática local. Os principais resultados obtidos com o monitoramento realizado na porção centro-leste do estado de São Paulo, em escala temporal diária, demonstram que a composição isotópica da precipitação é governada por fatores e processos de escala regional, caracterizado pela atuação de diferentes sistemas atmosféricos sazonais, que provocam a formação de sistemas frontais e diferentes tipos de chuva. Deste modo, o presente projeto tem por objetivos avaliar as variações isotópicas intra-eventos na precipitação em Rio Claro, buscando compreender os fatores climáticos locais governantes, principalmente aqueles associados a formação, evolução e passagem de diferentes tipos de chuva e suas características microfísicas. Para tanto serão analisadas, conjuntamente à composição isotópica da precipitação, informações meteorológicas fornecidas por um Micro Radar de Chuva (adquirido com recursos da FAPESP processo 2018/06666-4), importantíssimas para avaliação de um perfil vertical da atmosfera sob o local de amostragem. A matriz de dados meteorológicos e isotópicos gerados, será utilizada em testes estatísticos de regressão, com a realização de um modelo estatístico robusto que correlacione o conteúdo isotópico aos parâmetros climáticos locais e regionais.