Busca avançada
Ano de início
Entree

Estudo in vivo de coativadores e corepressores do receptor de andrógeno no câncer de próstata

Processo: 19/00156-7
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de setembro de 2019
Vigência (Término): 31 de maio de 2022
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Cirurgia
Pesquisador responsável:Sabrina Thalita dos Reis Faria
Beneficiário:Ruan César Aparecido Pimenta
Instituição-sede: Faculdade de Medicina (FM). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Urologia   Neoplasias da próstata   MicroRNAs

Resumo

O Câncer de Próstata (CaP) tem por caráter crescimento lento e representa um tipo de neoplasia andrógeno dependente. O Receptor de Andrógeno (RA) desempenha um papel fundamental na carcinogênese e metastização da próstata. Com isso, as terapias de privação androgênica (TDA) são frequentemente usadas para tratar o CaP. Entretanto, no momento em que o CaP adquiri o fenótipo resistente à castração (CPRC), as TDA não são mais eficazes. De fato, agora é sabido que a sinalização androgênica persiste mesmo após a transição do CaP hormônio sensível (CPHS) para o CPRC. Dentre outros fatores que contribuem para uma piora clínica destes pacientes, estão os perfis lipídicos, onde esse se enquadra o colesterol, também conhecido por ser um efeito colateral comum da TDA para o CPRC. Neste sentido, ressaltamos os cofatores do RA, que podem recrutar inúmeros cofatores enzimáticos transcricionais, sendo eles, coativadores, p160 (SRC-1, SRC-2 e SRC-3), Histona Acetil-transferase (p300 e CBP), e corepressores, Proteína do Citoesqueleto (ARA67), Receptor Nuclear (SMRT/NCoR2) e IL-6. Destacamos também a ação dos microRNAs, 137 e 17-5p, que tem como alvo as famílias p160 e o complexo CBP/p300, respectivamente, que também são moléculas promissoras neste mesmo sentido. Desta forma, acreditamos que o estudo em conjunto destas moléculas em modelo in vivo de CPRC hipercolesterolêmico, possa elucidar a transativação do eixo do RA nesta patologia, identificando assim possíveis biomarcadores com potencial alvo terapêutico.

Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.