Busca avançada
Ano de início
Entree

Participação da via P2X7-inflamassoma e polarização M1-M2 da microglia em modelo animal de resistência ao tratamento antidepressivo

Processo: 18/24140-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de agosto de 2019
Vigência (Término): 31 de julho de 2021
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Farmacologia - Neuropsicofarmacologia
Pesquisador responsável:Sâmia Regiane Lourenço Joca
Beneficiário:Nima Sanadgol
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto (FCFRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Assunto(s):Estresse   Inflamassomos

Resumo

Cerca de 30 a 60% dos pacientes tratados com medicação antidepressiva de rotina não conseguem atingir efetivamente a remissão dos sintomas depressivos, levando à depressão resistente ao tratamento (DRT). Nessa condição, a terapia de reposição, como a adição de um estabilizador de humor (como lamotrigina ou lítio) ou um antipsicótico (como olanzapina, quetiapina ou risperidona) a tratamentos antidepressivos existentes é frequentemente usada. Há uma necessidade essencial para descrever com precisão os mecanismos celulares e moleculares envolvidos no transtorno depressivo maior (MDD) resistente à farmacoterapia monoaminérgica, o que poderia ser altamente aplicável para a introdução de novos tratamentos com melhor eficácia clínica. Recentemente, um grande corpo de evidências suporta que a ativação do receptor purinérgico do tipo 2X7 (P2X7) em células da microglia e a conseqüente ativação do inflamassoma NLPR3 têm um papel crítico no desenvolvimento da depressão e na resposta à terapêutica antidepressiva. Neste projeto, investigaremos os efeitos do antagonista do receptor P2X7 (A-804598) e inibição do inflamassoma (CP-456,773), na polarização da microglia M1 e M2, ativação do inflamassoma e neuroplasticidade no modelo animal de hormônio adrenocorticotrópico (ACTH) TRD. Com isso, pretendemos elucidar mecanismos envolvidos na resistência ao tratamento antidepressivo e identificar a via NLRP3 como alvo para desenvolvimento de fármacos mais eficazes