Busca avançada
Ano de início
Entree

Efeito do 3-bromopiruvato em células de melanoma resistentes ao vemurafenibe

Processo: 19/14189-4
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de agosto de 2019
Vigência (Término): 30 de abril de 2021
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Metabolismo e Bioenergética
Pesquisador responsável:Céline Marques Pinheiro
Beneficiário:Patrik da Silva Vital
Instituição-sede: Hospital do Câncer de Barretos. Fundação Pio XII (FP). Barretos , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:15/25351-6 - O MCT1 como alvo terapêutico e mediador de resposta no tratamento de melanomas, AP.JP
Assunto(s):Neoplasias   Metabolismo energético   Efeito Warburg   Transportadores de ácidos monocarboxílicos   Melanoma   Glicólise   Heterogeneidade

Resumo

A maioria dos tumores sólidos reprograma o seu metabolismo energético, dependendo principalmente da via glicolítica para obtenção de energia, mesmo na presença de oxigênio, um fenômeno conhecido como efeito de Warburg. Neste contexto, os transportadores de monocarboxilatos (MCTs), especificamente o MCT1 e o MCT4, desempenham um papel essencial, contribuindo para o fluxo contínuo da glicólise, assim como para a regulação do pH. Recentemente, o MCT1 foi identificado como o principal determinante para a sensibilidade ao 3-bromopiruvato (3-BP), um dos mais promissores inibidores do metabolismo glicolítico. Nos últimos anos, o manejo dos pacientes com melanoma tem evoluído graças ao melhor entendimento da heterogeneidade molecular dos melanomas; mutações em BRAF estão associadas a um aumento no risco de mortalidade, sendo também um importante fator para decisões terapêuticas. De notar, mutações em BRAF estimulam o efeito de Warburg. Neste projeto de mestrado, o potencial do 3-BP como agente antineoplásico para o tratamento de melanomas resistentes ao vemurafenibe será avaliado. Para tal, será avaliado o efeito do tratamento com 3-BP, sozinho ou combinado com vemurafenibe, sobre características celulares que incluem metabolismo, viabilidade, proliferação, apoptose, migração, invasão e formação de colônias em células de melanoma resistentes ao vemurafenibe. (AU)