Busca avançada
Ano de início
Entree

Expressão in situ de mediadores imunológicos do perfil Th17 em lesões de pacientes com leishmaniose tegumentar americana causada por Leishmania (Leishmania) amazonensis e Leishmania (Viannia) braziliensis

Processo: 19/17957-2
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de setembro de 2019
Vigência (Término): 31 de agosto de 2020
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Anatomia Patológica e Patologia Clínica
Pesquisador responsável:Carlos Eduardo Pereira Corbett
Beneficiário:Larissa dos Santos Alcântara
Instituição-sede: Faculdade de Medicina (FM). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:14/50315-0 - Leishmanioses na América Latina: uma perspectiva avançada sobre fatores imunopatogenéticos da infecção cutânea e visceral, imunomoduladores da saliva de vetores flebotomíneos e exo-antígenos imunogênicos de Leishmania (L.) infantum chagasi candidatos à vacina, AP.TEM
Assunto(s):Imuno-histoquímica   Imunopatologia   Células Th17

Resumo

As leishmanioses humanas, tanto a forma cutânea ou mucosa como a forma visceral sistêmica, representam ainda hoje, importante problema de saúde pública mundial em especial nas áreas tropicais e subtropicais do globo. A América Latina aparece como uma das áreas de maior expressão desses agravos, onde o Brasil, na América do Sul, assim como o Panamá e Honduras, na América Central, apresentam uma situação epidemiológica das mais importantes em razão de determinadas peculiaridades relacionadas não só à capacidade antigênica das espécies de Leishmania, como também à interação dessas espécies com a resposta imune do homem, resultando em processos imunopatogenéticos que podem confluir para leishmaniose tegumentar ou leishmaniose visceral sistêmica. No caso da leishmaniose tegumentar americana (LTA), chama atenção a complexidade do processo imune-biológico envolvendo sete espécies de Leishmania como agentes da doença no Brasil. No Panamá, Leishmania (Viannia) panamensis é a principal espécie causadora da doença, mas há envolvimento também de L. (Leishmania) amazonensis, L. (L.) mexicana e L. (L.) colombiensis. Como resultado desse processo, observam-se 5 formas clínicas da LTA: cutânea localizada e cutânea disseminada borderline, ambas causadas por uma das espécies acima mencionadas, além da mucosa, causada por L.(V.)panamensis no Panamá e L. (V.) braziliensis no Brasil, e a cutânea anérgica difusa causada por L.(L.)amazonensis no Brasil, sendo as duas últimas formas clínicas de potencial patogênico mais grave para o homem, cujas bases imunopatogenéticas constituem um dos alvos de maior interesse deste projeto temático, e que serão investigadas através da expressão gênica e da marcação fenotípica in situ, buscando-se um melhor entendimento dos fatores de sinalização celular e do perfil de citocinas da resposta imune do hospedeiro, tanto inata quanto adaptativa. Por outro lado, embora a leishmaniose visceral americana (LVA) represente a manifestação clínica de maior interesse na interação entre Leishmania(L.)infantum chagasi e a resposta imune do homem, não há dúvida de que não podemos negligenciar as outras manifestações clínico-imunológicas do hospedeiro que decorrem dessa interação e que poderão subsidiar novas estratégias para aperfeiçoar medidas de controle já existentes da LVA. Desse modo, é fundamental esclarecer, no momento, as bases imunopatogenéticas que sustentam uma sequência de eventos que ocorrem para o polo de susceptibilidade ou resistência à infecção e que poderão subsidiar novas estratégias para o controle e tratamento da LVA. Salienta-se que a situação epidemiológica da doença em Honduras parece mais inusitada em razão de uma única espécie, L. (L.) i. chagasi, ser responsável por casos de leishmaniose visceral americana (LVA) em criança, como também, por manifestações cutâneas em adolescentes e adultos jovens. Assim, pretende-se, inicialmente, caracterizar o espectro clínico-imunológico da infecção humana por L. (L.) i. chagasi nos casos de infecção sistêmica, e avaliar a resposta imune inata e adaptativa dos indivíduos nos perfis clínico-imunológicos encontrados. Nos casos com manifestações cutâneas, serão avaliados os aspectos imunopatológicos de biópsias, empregando-se marcadores celulares e intracelulares por imunohistoquímica. Será avaliado ainda, o perfil transcricional de pacientes com as duas apresentações clínicas através de estudo da expressão gênica objetivando, no conjunto, esclarecer as bases imunopatogenéticas da doença causada por L. (L.) i. chagasi em Honduras.