Busca avançada
Ano de início
Entree

Pobreza crônica e transitória no Brasil: uma análise para o período entre 2012 e 2019 com os dados da PNAD contínua

Processo: 19/10025-7
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de setembro de 2019
Vigência (Término): 31 de agosto de 2020
Área do conhecimento:Ciências Sociais Aplicadas - Economia - Economia do Bem-estar Social
Pesquisador responsável:Solange Ledi Gonçalves
Beneficiário:Thiago da Costa Albuquerque
Instituição-sede: Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus Osasco. Osasco , SP, Brasil
Assunto(s):Políticas públicas   Pobreza   Idiossincrasia   Coleta de dados   Análise estatística de dados   Indicadores socioeconômicos   Regressão linear

Resumo

O desenvolvimento dos estudos sobre a pobreza permitiu a existência de um consenso em relação à multidimensionalidade desse fenômeno. Além disso, a observação da situação das famílias ao longo do tempo permitiu concluir sobre a característica dinâmica da pobreza, ou seja, de um movimento de entrada e saída da situação. Diante da importância da dimensão temporal para as análises sobre pobreza e o pequeno número de estudos sobre a dinâmica da pobreza no Brasil, o presente projeto se propõe a contribuir para essa literatura ao aplicar a categorização de pobreza crônica e transitória categorização de Hulme e Shepherd (2003) às famílias da amostra da PNAD Contínua (PNADC/IBGE), no período entre 2012 e 2019, que coincide com o início e aprofundamento da crise econômica no Brasil. Ainda não são conhecidas análises de dinâmica da pobreza com o uso da PNADC. Serão utilizadas e comparadas duas linhas de pobreza: uma linha de pobreza objetiva, baseada no corte de elegibilidade do Programa Bolsa Família; e uma linha de pobreza relativa, baseada na abordagem de pobreza relativa criada por Sônia Rocha (1997). Com a aplicação desta categorização, será possível delinear o perfil socioeconômico e demográfico das famílias brasileiras com diferentes perfis de pobreza (pobres crônicas, pobres transitórias e nunca pobres), por meio do uso de estatísticas descritivas e do ferramental de regressão linear múltipla. Além disso, serão realizadas análises desagregadas para as macrorregiões e estados brasileiros, considerando a idiossincrasia da pobreza em cada região. Por fim, com base na literatura existente, pretende-se comparar os resultados encontrados e compreender quais seriam as políticas públicas alvitradas ao combate dos diferentes tipos de privação.