Busca avançada
Ano de início
Entree

Geoquímica elementar e isotópica de formações ferríticas, carbonatos e folhelhos negros: condições paleoredox durante o Neoarqueano, paleo- e Neoproterozóico no Brasil

Processo: 19/16271-0
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Doutorado
Vigência (Início): 01 de outubro de 2019
Vigência (Término): 30 de setembro de 2020
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Geociências - Geologia
Pesquisador responsável:Marly Babinski
Beneficiário:Eric Siciliano Rego
Supervisor no Exterior: Vincent Busigny
Instituição-sede: Instituto de Geociências (IGC). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Local de pesquisa : Institut de physique du globe de Paris, França  
Vinculado à bolsa:18/05892-0 - Geoquímica elementar e isotópica das formações ferríferas e folhelhos negros: novas evidências de condições paleoredox durante o paleo- e Neoproterozóico no Norte e Centro-Oeste do Brazil, BP.DR
Assunto(s):Geoquímica

Resumo

A evolução da Terra e suas relações com a vida têm sido um importante tema de pesquisa nas últimas décadas. Questões relacionadas à habitabilidade do planeta, inclusive quando o oceano e a atmosfera se tornaram oxigenadas, ainda impõem desafios à nossa compreensão de como e quando esses recursos evoluíram. O registro geológico, particularmente as formações ferríferas, carbonatos e folhelhos do Arqueano / Paleoproterozóico ao Neoproterozóico, são arquivos bem adequados para explorar ainda mais essas relações antes, durante e após o aumento do oxigênio atmosférico. Os isótopos de ferro demonstraram ser uma ferramenta valiosa para a reconstrução de paleoambientes Pré-Cambrianos, embora ainda existam questões sobre o ciclo de Fe ao longo da história da Terra. O objetivo deste estágio é ir para o Instituto de Física do Globo de Paris (IPGP) com a supervisão do Dr. Vincent Busigny para aplicar isótopos de ferro (Fe) em carbonatos, folhelhos e formações ferríferas para obter evidências das condições redox no sistema oceano-atmosfera abrangendo o Neoarqueano / Paleoproterozóico em Carajás, PA, e o Neoproterozóico em Corumbá, MS. Além disso, essas amostras da América do Sul serão fundamentais para futuras correlações com outras seções bem estudadas em todo o mundo. Os laboratórios do IPGP oferecem instalações e condições de última geração para o aprendizado de todas as técnicas necessárias relacionadas à geoquímica isotópica, que serão posteriormente implementadas no Instituto de Geociências da Universidade de São Paulo (USP), Brasil.