Busca avançada
Ano de início
Entree

Contatos no Mediterrâneo: as representações das populações negras na Grécia Antiga

Processo: 19/05729-5
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de setembro de 2019
Vigência (Término): 30 de abril de 2022
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Arqueologia
Pesquisador responsável:Haiganuch Sarian
Beneficiário:Michelle Borges Pedroso
Instituição-sede: Museu de Arqueologia e Etnologia (MAE). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Arqueologia clássica   Grécia Antiga   África   Mediterrâneo   Cultura material   Negros   Antiguidade

Resumo

O presente projeto de pesquisa pretende elaborar um estudo e reflexão sobre contatos mediterrâneos na Antiguidade. A partir da observação e análise da cultura material buscam-se resquícios e evidências que possam embasar o questionamento da pureza do legado histórico-artístico grego, como princípio fundador das sociedades ocidentais, e refletir sobre o modo como premissas racistas desconsideraram algumas representações e os múltiplos contatos entre as sociedades antigas para galgar as raízes ocidentais numa ideia de pureza branca, idealizada e inexistente. No entanto, não pretendemos com isso deslegitimar a importância do patrimônio histórico-cultural e artístico grego para as sociedades modernas, mas evidenciar que os debates raciais da atualidade nos auxiliam na reinterpretação das fontes e no entendimento dos mecanismos de opressão sobre os quais nossas origens foram forjadas. Os primeiros estudos sobre a Antiguidade ignoraram os contatos e circulações existentes no Mediterrâneo para construir concepções de arte, cultura e sociedade gregas completamente puras e autênticas que se sobrepuseram às demais. As fontes arqueológicas encontradas passaram por processos de interpretações seletivas que corroboraram com tais premissas e, dessa forma, as origens ocidentais foram remontadas na Grécia, em um passado, cultural e histórico, ideal, majoritariamente branco e masculino. Os contatos culturais presentes no Mediterrâneo foram silenciados e apesar dos grandes avanços nos debates arqueológicos internacionais, no Brasil, ainda hoje, pouco se fala sobre as contribuições de outras sociedades para com a Grécia. Desse modo, a ideia é de descrever e aprofundar o conhecimento sobre essas outras relações enfocando, sobretudo, nos contatos entre a Grécia e a África e nas representações que os gregos realizaram das populações africanas negras, a fim de evidenciar que o berço ocidental resulta de um amálgama cultural intenso que não pode ser desconsiderado. (AU)