Busca avançada
Ano de início
Entree

Qualidade ambiental em unidades de tratamento psicossociais: uma avaliação pós-ocupação em unidades CAPS AD III

Processo: 18/25152-1
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de outubro de 2019
Vigência (Término): 30 de setembro de 2022
Área do conhecimento:Ciências Sociais Aplicadas - Arquitetura e Urbanismo - Tecnologia de Arquitetura e Urbanismo
Pesquisador responsável:Rosária Ono
Beneficiário:Fernanda de Moraes Goulart
Instituição-sede: Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Qualidade ambiental   Psicologia ambiental   Serviços de saúde mental   Avaliação pós-ocupação   São Paulo (SP)

Resumo

Os Centros de Atendimento Psicossociais - Álcool e Drogas (CAPS-AD) são pontos de atenção estratégicos para o acolhimento de pessoas com sofrimento mental decorrente do uso de álcool e outras drogas. Esses Centros promovem o cuidado em liberdade, ou seja, um atendimento humanizado que respeita a autonomia, a liberdade e a integridade dos pacientes, oferecendo assistência individualizada, de caráter aberto e comunitário, às pessoas com transtorno mental. Por se tratar de um atendimento especializado, possuem particularidades no que se refere à sua organização espacial. Dada a enorme proporção de evasão no tratamento de dependentes químicos, as impressões que a pessoa em tratamento adquire ao entrar pela primeira vez em um CAPS-AD podem ser entendidas como decisivas para a sua permanência no tratamento. É importante que os ambientes da unidade expressem conforto, acolhimento e cuidado, sinalizando a todos que os utilizam que aquele espaço se trata de um local de cura, onde a liberdade e a autonomia dos pacientes são respeitadas. A literatura existente ressalta que a composição de um espaço físico passa a ser categórica na evocação de nossas sensações e formação de nossos comportamentos. A ambiência é percebida de acordo com as características individuais de quem a vivência, e pesquisas têm indicado que profissionais de saúde e pessoas em tratamento são suscetíveis à qualidade ambiental dos espaços, que impacta na facilidade com que diversas funções são desempenhadas e influência as relações entre médicos, enfermeiros e pacientes. Este trabalho propõe compreender melhor as necessidades dos usuários/ ocupantes desses Centros, fazendo-se uso de métodos e técnicas da Avaliação Pós-Ocupação (APO) aplicados em unidades CAPS-AD III. O objetivo principal é realizar a APO em unidades CAPS-AD III em São Paulo, aferindo as características construtivas, funcionais, de conforto ambiental e comportamentais dos edifícios, com o enfoque na detecção de elementos arquitetônicos que indiquem percepção de controle, acolhimento e interação social. Participarão da pesquisa funcionários e pessoas em tratamento, sendo que as últimas serão indicadas pelo técnico de referência de cada unidade. Primeiramente, as unidades selecionadas serão submetidas à avaliação da especialista. Em seguida, os usuários/ocupantes responderão questionários acerca de sua percepção da qualidade do ambiente. O questionário utilizado contará com um bloco com a versão adaptada do PHEQI - Indicador da Perceção da Qualidade Ambiental em Hospitais, que avalia em 36 itens aspectos físico-espaciais, e sócio-funcionais do ambiente. Suas questões medem as dimensões "Conforto", "Orientação (Topocepção)", "Vista e Iluminação", "Tranquilidade" e "Temperatura e qualidade do ar". O impacto que a configuração espacial exerce na qualidade dos tratamentos será discutida em entrevistas com pessoas-chave. Os dados quantitativos obtidos serão submetidos à análise estatística e uma análise de conteúdo irá categorizar as informações coletadas nas entrevistas. Por fim, os usuários finais serão convidados a sugerir, a partir da aplicação de outros instrumentos com uso de escala semântica, melhorias que tornem o ambiente CAPS mais confortável e acolhedor. A comparação cruzada de dados obtidos irá esclarecer quais características ambientais podem otimizar as atividades desempenhadas em CAPS-AD, visando, sobretudo, contribuir para o incremento de subsídios técnicos para que as futuras unidades de CAPS-AD sejam projetadas de forma a se adequar cada vez mais às necessidades dos usuários. Pretende-se estabelecer um conjunto de parâmetros projetuais que estejam em consonância com as diretrizes e os objetivos da Rede de Atenção Psicossocial, caracterizada pela atenção humanizada, pela base comunitária (substitutiva ao modelo asilar), pelo respeito aos direitos humanos, à autonomia e à liberdade das pessoas. (AU)