Busca avançada
Ano de início
Entree

A gestão municipal de praias promove capacidade adaptativa para assegurar a sustentabilidade dos serviços ecossistêmicos frente as mudanças climáticas?

Processo: 19/13898-1
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Mestrado
Vigência (Início): 19 de outubro de 2019
Vigência (Término): 18 de março de 2020
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Oceanografia - Oceanografia Biológica
Pesquisador responsável:Alexander Turra
Beneficiário:Marina Ribeiro Corrêa
Supervisor no Exterior: Marion Elisabeth Luise Glaser
Instituição-sede: Instituto Oceanográfico (IO). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Local de pesquisa : Leibniz Centre for Tropical Marine Research (ZMT), Alemanha  
Vinculado à bolsa:18/13238-9 - Serviços ecossistêmicos e suas vulnerabilidades às mudanças climáticas: desafios para a gestão ecossistêmica de praias, BP.MS

Resumo

A gestão baseada em ecossistemas (GBE) é uma ferramenta pertinente para o gerenciamento de zonas costeiras no contexto de Mudanças Climáticas (MC): considera o diagnóstico de vulnerabilidades socioecológicas para responder a elas com antecedencia. Entre os desafios para sua implementação, a falta de uma visão sistêmica e a divergência de opiniões entre os gestores são intensificadas na gestão de ambientes complexos, como as praias arenosas. A gestão nesse ambiente tende a ser caracterizada pela falta de coordenação entre órgãos públicos, envolvendo poucos atores e desconsiderando processos ecológicos e sua conexão com o bem-estar humano. Para superar os desafios da implementação da GBE, é necessário entender a dimensão aplicada da gestão a um contexto particular, promovendo esforços coordenados e comunicação entre os atores envolvidos. Portanto, o conceito de Serviços Ecossistêmicos (SE) pode ser uma ferramenta de comunicação útil dentro da gestão e entre a ciência e a gestão durante o processo de implementação da GBE. O uso de SE para melhorar a implementação da GBE no contexto de MC pode ser feito através da análise de vulnerabilidade, considerando a capacidade da gestão municipal de adaptar sua estrutura para melhor responder às mudanças, garantindo a provisão de SE hoje e no futuro. Esta capacidade de manter a provisão de SE pela estrutura de gestão municipal, ou seja, capacidade adaptativa de gestão, pode ser melhorada através da promoção de redes sociais entre diferentes setores e escalas da gestão, criando oportunidades para melhor atender a complexidade, diversidade e incertezas dos sistemas socioecológicos. Portanto, mapear a estrutura das redes sociais que permeiam os governos municipais é essencial e pode ser acessado pela visão dos gestores municipais sobre a capacidade de gestão de mudar a rede social que permeia sua estrutura a fim de agregar mais informações e coordenar esforços para a uma gestão sustentável. Para analisar as visões dos gestores sobre a capacidade adaptativa da Gestão das das praias afim de sustentar a oferta de SE no contexto do MC, o presente projeto irá utilizar uma metodologia chamada "Nep-Map" integrada com a metodologia de Grupo Focal. A metodologia Net-Map estimula a alteração da rede social mapeada a partir dos seus próprios integrantes, facilitando a formação de uma rede estratégica para atingir os objetivos propostos. Já a metodologia de Grupo Focal facilita uma exploração mais profunda de como as pessoas percebem e constroem o conceito de SE. Portanto, esses 5,5 meses de pesquisa no exterior terão como foco a análise da capacidade adaptativa percebida pelos gestores para lidar com as MC por meio de uma Análise de Redes Sociais. Além disso, o projeto discutirá como os diferentes pontos de vista dos gestores municipais sobre a capacidade adaptativa da gestão podem afetar a implementação do GBE nas praias, subsidiando estratégias para superar os desafios encontrados.