Busca avançada
Ano de início
Entree

Inglaterra em gravuras: o mundo dos impressos ingleses e a produção do gravador William Faithorne (1640-1691)

Processo: 19/15636-4
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de outubro de 2019
Vigência (Término): 30 de setembro de 2021
Área do conhecimento:Ciências Humanas - História - História Moderna e Contemporânea
Pesquisador responsável:Luis Filipe Silverio Lima
Beneficiário:Michelle Mayumi Hachisu
Instituição-sede: Escola de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (EFLCH). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus Guarulhos. Guarulhos , SP, Brasil
Assunto(s):História da Inglaterra   Obra de arte   Restauração   Gravura   Criação artística   Guerra civil

Resumo

No presente projeto, pretendemos analisar a trajetória e as obras de William Faithorne, importante gravador inglês que atuou desde o reinado de Carlos I até a Revolução Gloriosa. Buscaremos estudar o conjunto de suas obras, localizando suas gravuras no contexto de produção de impressos do período. A oficina de Faithorne produziu gravuras de variados tipos, muitas tocando aspectos políticos e religiosos do período em que foram feitas, ao longo de praticamente quase todo o século XVII. Isso permite observá-las como um lugar privilegiado para a compreensão dos processos de criação e circulação das gravuras seiscentistas inglesas, a função das mesmas como protocolos de leitura de livros e panfletos e a relação delas com as dinâmicas culturais e políticas durante as Guerras Civis, o Protetorado e a Restauração. Para proceder a interpretação desses variados aspectos e pensá-los em seu conjunto, para além da análise das gravuras, construiremos uma base de dados contendo cerca de 300 gravuras identificadas no acervo do British Museum. Buscaremos seriá-las cronologicamente, desde a primeira gravura publicada em 1640 até a última em 1691, para ver se é possível pensar Faithorne como possível meio de compreender a produção de gravuras na Inglaterra e sua relação com os eventos políticos do século XVII. Defendemos que por meio da análise das fontes poderemos localizar diferentes padrões de produção em sua relação com eventos políticos e mudanças na cultura visual dos seiscentos. (AU)