Busca avançada
Ano de início
Entree

Expressões de resiliência oculta em adolescentes vítimas de exploração sexual

Processo: 19/15248-4
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de outubro de 2019
Vigência (Término): 30 de setembro de 2020
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Psicologia - Psicologia do Desenvolvimento Humano
Pesquisador responsável:Alex Sandro Gomes Pessoa
Beneficiário:Carolina Serrati Moreno
Instituição-sede: Centro de Educação e Ciências Humanas (CECH). Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR). São Carlos , SP, Brasil
Assunto(s):Resiliência psicológica   Delitos sexuais   Exploração sexual   Vulnerabilidade social   Adolescentes   Coleta de dados   Entrevistas (psicologia)   Análise de conteúdo

Resumo

Dada a complexidade do fenômeno da exploração sexual de crianças e adolescentes, é importante que as diversas ciências se engajem no enfrentamento e na compreensão dos mecanismos que corroboram para a perpetuação dessa prática. Similarmente, entende-se necessário o investimento da comunidade científica em relação à identificação dos fatores de proteção e dos processos de resiliência presentes na vida das vítimas submetidas ao mercado exploratório e degradante da indústria sexual. Tem-se, como hipótese dessa pesquisa, que adolescentes em situação de exploração sexual, por não acessarem programas eficientes e por serem provenientes de contextos extremamente adversos, podem recorrer à exploração sexual como estratégia de assegurar saúde mental e positividade pessoal. Em outros termos, por estarem numa condição de subalternidade e abandono social, extraem recursos sociais e psicológicos da exploração sexual para o acionamento de processos de resiliência não convencionais. Com base nesses argumentos, o objetivo geral deste estudo é verificar a manifestação de processos de resiliência oculta com adolescentes com histórico de envolvimento em situações de exploração sexual. A pesquisa será qualitativa, em período transversal e a partir da modalidade de estudo de casos múltiplos. O trabalho de campo será realizado com um grupo de 4 a 8 adolescentes, do sexo feminino, que foram vítimas de exploração sexual e que estejam em atendimento em um CREAS (Centro de Referência Especializado de Assistência Social) de um município de médio porte do interior do estado de São Paulo. Para a coleta de dados, serão utilizados dois instrumentos: Entrevista Individual Semiestruturada e a Produção de fotografias. Todas os diálogos que emergirem no trabalho de campo serão gravados em aparelho digital e, posteriormente, submetidos ao processo de transcrição na íntegra. A interpretação dos dados será realizada através da análise de conteúdo. Os resultados obtidos nessa investigação podem trazer informações relevantes e ainda pouco exploradas sobre os fatores de proteção não convencionais presentes nas vidas de vítimas de exploração sexual, bem como contribuir para um aprofundamento na compreensão dos processos de resiliência oculta que sem manifestam em grupos expostos a adversidades significativas.