Busca avançada
Ano de início
Entree

Papel da ribonucleoproteína heterogênea nuclear K no reparo de DNA em célula epidermóide oral

Processo: 19/16914-8
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de novembro de 2019
Vigência (Término): 31 de outubro de 2021
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Odontologia
Pesquisador responsável:Andréia Machado Leopoldino
Beneficiário:Ana Júlia Rossoni Carvalho
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto (FCFRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Assunto(s):Biologia celular   Ribonucleoproteínas   Neoplasias   Reparo do DNA   Mitocôndrias

Resumo

A proteína ribonucleoproteína heterogênea K (hnRNPK) tem sido descrita como aumentada em diversos tipos de câncer e associado ao pior prognóstico, incluindo o câncer oral. Esta proteína ligaseao RNA e DNA e participa de diversas interações regulatórias proteína-proteína, sendo encontrada no núcleo, no citosol e em mitocôndrias. A proteína hnRNPK é alvo de diferentes modificações pós-traducionais como metilação e fosforilação, o que regula as diferentes interações com outras proteínas e sua localização subcelular, garantindo assim que esteja associada à diferentes mecanismos da regulação gênica, tais como transcrição, processamento de RNA, tradução e estabilidade do RNA mensageiro. A hnRNPK tem ampla interação com proteínas mitocondriais, integrando sinais de diferentes cascatas de sinalização no núcleo, citoplasma e mitocôndria. Considerando-se: i) sua relação com câncer; ii) a ocorrência de danos no DNA mitocondrial (mit), iii)os mecanismos de reparo presentes nestas organelas, iv) dados prévios do nosso grupo que demonstraram a interação da YB-1 com a hnRNPK, v) e a necessidade da proteína YB-1 para o reparo do tipo erro de pareamento, nossa hipótese é que a hnRNPK tenha atuação no sistema de reparo de DNA tanto nuclear quanto mitocondrial. Desta forma, o nosso objetivo neste projeto é caracterizar o potencial envolvimento da proteína hnRNPK no reparo de DNA, por meio de sua interação com a proteína YB-1, com foco no "erro de pareamento de bases" e "excisão de base".Serão utilizadas estratégias de biologia molecular, bioquímica e genética molecular, assim como ensaios in vitro de interação proteína/proteína/DNA e funcionais utilizando linhagens celulares humanas de células epidermóides orais (tumorais e não tumorais) com níveis alterados da proteína hnRNPK e/ou inibidores de vias de sinalização envolvidas na regulação da proteína K. Espera-seque os resultados contribuam para um melhor entendimento do papel da hnRNPK no desenvolvimento e progressão do câncer oral e de outros tipos. (AU)