Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação da resistência à fadiga e tolerância a defeitos superficiais da vitrocerâmica de dissilicato de lítio

Processo: 19/17172-5
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de setembro de 2019
Vigência (Término): 31 de agosto de 2020
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Odontologia - Materiais Odontológicos
Pesquisador responsável:Paulo Francisco Cesar
Beneficiário:Laura Ajamil Rinaldi
Instituição-sede: Faculdade de Odontologia (FO). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Vitrocerâmica   Dissilicato de lítio   Porcelana dentária   Fadiga   Perfilometria   Microscopia eletrônica de varredura   Técnicas in vitro

Resumo

O objetivo principal deste estudo será avaliar a influência de diferentes formatos de defeitos superficiais controlados, no comportamento de fadiga e tempo de vida característico da vitrocerâmica de dissilicato de lítio. O estudo será dividido em dois experimentos, in silico e in vitro. Serão confeccionados espécimes a partir de blocos de vitrocerâmica de dissilicato de lítio, em formato de barra para o ensaio de fadiga pelo método step-stress. Estes serão divididos em 3 grupos experimentais (n=20) de acordo com o formato e localização do defeito: GC - Nenhum; GE1 - Defeito esférico em superfície; GP1 - Defeito pontiagudo em superfície. Para avaliar a morfologia, dimensão e posição dos defeitos introduzidos e rugosidade da superfície do dissilicato de lítio, serão realizadas microscopias eletrônicas de varredura (MEV) e análise por perfilômetria óptica 3D nos espécimes previamente ao ensaio de fadiga em step-stress de cada grupo experimental (n=15). Serão modelados em CAD uma barra para ensaio de flexão 4 pontos que serão exportadas para software CEA que simulará uma Análise Estática Estrutural Mecânica por meio do método de elementos finitos. Estimativas do tempo de vida e probabilidade de falha do dissilicato de lítio nos níveis de tensões de 50 ou 100 MPa serão realizadas por meio da estatística de Weibull (± = 0,05). Adicionalmente, correlações de Spearman ou Pearson (± = 0,05) serão realizadas entre informações de dimensão e posicionamento dos defeitos controlados com a resistência à flexão e fadiga dos grupos experimentais. Será realizada uma análise qualitativa por meio de MEV das superfícies de fratura de todos os espécimes para localização da origem da fratura e detalhes da propagação do defeito originário da falha.