Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação do potencial de nanopartículas de sílica mesoporosas funcionalizadas com cetuximabe para veiculação de docetaxel no tratamento do câncer de próstata.

Processo: 18/25377-3
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de janeiro de 2020
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2021
Área do conhecimento:Engenharias - Engenharia de Materiais e Metalúrgica
Pesquisador responsável:Marlus Chorilli
Beneficiário:Rafael Miguel Sábio
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCFAR). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Araraquara. Araraquara , SP, Brasil
Assunto(s):Neoplasias da próstata

Resumo

O câncer de próstata (CP) é uma das doenças não contagiosas que mais atinge a população masculina no mundo. O tratamento com o quimioterápico docetaxel (DTX), embora apresente eficácia clínica, está associado ao desenvolvimento de resistência em estágios mais avançados da doença, além do fármaco apresentar baixa solubilidade aquosa e problemas relacionados à sua farmacocinética. Nanopartículas de sílica mesoporosas têm atraído grande interesse por apresentar alta estabilidade química, grande área superficial e poros de diâmetros e volumes ajustáveis, possibilitando a incorporação de grande quantidade de fármacos, protegendo-os de processos de desativação, degradação e liberação prematura atuando como um excelente nanocarreador. Além disso, a disponibilidade de hidroxilas em sua superfície permite a conjugação de moléculas como o anticorpo monoclonal cetuximabe (CTE) o qual se liga ao receptor EGFR (Enhanced Growth Factor Receptor) superexpressos em muitos tumores de próstata, representando uma estratégia em potencial para o tratamento do câncer de próstata em combinação ao DTX. Diante ao exposto, este projeto de pesquisa tem como objetivo o desenvolvimento de nanoplataformas inteligentes baseadas em nanopartículas de sílica mesoporosas funcionalizadas com CTE para veiculação de DTX no tratamento do CP, visando contornar problemas como baixa internalização, ausência de controle da liberação do antineoplásico na região de interesse, diversos efeitos colaterais ao paciente e baixa eficácia dos tratamentos atuais. Para avaliação desses parâmetros, a caracterização dos materiais e validação das metodologias serão realizadas assim como os ensaios in vitro utilizando modelos de linhagens celulares PC-3 e DU145 e também in vivo a partir de modelo animal, com o intuito de comprovar a eficácia dos novos nanocarreadores propostos.