Busca avançada
Ano de início
Entree

Tecnologia de reabilitação para prevenção de disfunções musculoesqueléticas e dos pés de pessoas com Diabetes Mellitus: ensaio FootCAre (FoCa) preventivo controlado randomizado

Processo: 19/02522-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de novembro de 2019
Vigência (Término): 31 de outubro de 2022
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Fisioterapia e Terapia Ocupacional
Pesquisador responsável:Isabel de Camargo Neves Sacco
Beneficiário:Jane Suelen Silva Pires Ferreira
Instituição-sede: Faculdade de Medicina (FM). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Diabetes mellitus   Reabilitação   Pé diabético

Resumo

Considerando as diversas alterações musculoesqueléticas dos pés e tornozelos em pessoas com Polineuropatia Diabética (PND) e a necessidade do autocuidado a fim de evitar disfunções e complicações mais graves, como a formação de úlcera e amputação, a inclusão de um protocolo de exercícios com foco no fortalecimento da musculatura dos pés, no qual a pessoa possa auto gerenciar, pode se apresentar como um método eficiente de prevenção para esta população. O projeto será constituído de uma avaliação de tecnologia em saúde para investigar a segurança, eficácia e aderência do uso de uma tecnologia de reabilitação (software sistema de orientação ao pé diabético que customiza um protocolo de exercícios terapêuticos para pés e tornozelos de pessoas com diabetes) e os efeitos do uso desta nas respostas clínicas da PND (sensibilidade tátil e vibratória, equilíbrio funcional e funcionalidade dos pés) e na biomecânica da marcha. Para acessar a efetividade do software, será desenvolvido um ensaio clínico controlado para prevenção e cuidados dos pés - Foot Care (FOCA trial), com alocação aleatória e cegamento dos avaliadores. A amostra será composta por 62 pacientes com PND de até 65 anos que serão divididos aleatoriamente nos grupos controle ou intervenção. Os sujeitos serão avaliados em 3 momentos. A avaliação inclui analise cinemática e cinética do tornozelo e pé e pressão plantar durante a marcha, sintomas da PND, gravidade da neuropatia e força dos músculos do pé. São hipóteses deste estudo que o grupo intervenção terá melhora dos sintomas neuropáticos, diminuição da gravidade da neuropatia, melhora da sensibilidade, do equilíbrio funcional e funcionalidade dos pés, quando comparados ao grupo controle após 12 semanas de intervenção, além disso, que a aderência ao uso de ferramentas de autocuidado será igual ou superior a 80% e que a tecnologia representará uma maior viabilidade em relação a qualidade de vida. (AU)