Busca avançada
Ano de início
Entree

Relevância e segurança da neuromodulação cerebral não-invasiva em pacientes com miopatias autoimunes sistêmicas: estudo duplo cego, randomizado e sham-controlado

Processo: 19/12155-5
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de novembro de 2019
Vigência (Término): 31 de outubro de 2023
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Pesquisador responsável:Samuel Katsuyuki Shinjo
Beneficiário:Rafael Giovani Misse
Instituição-sede: Faculdade de Medicina (FM). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Reumatologia   Neuromodulação   Doenças musculares   Doenças autoimunes   Método duplo-cego   Estimulação transcraniana por corrente contínua   Qualidade de vida

Resumo

Miopatias Autoimunes Sistêmicas (MAS) são um grupo heterogêneo de doenças reumáticas raras caracterizadas clinicamente pela fraqueza muscular progressiva, simétrica e de predomínio proximal dos membros. Podem ainda cursar com acometimento articular, pulmonar, cardíaco e do trato gastrintestinal. Apesar de tratamento medicamento e orientação quanto à realização de exercícios físicos regulares, é notável a alta frequência de fadiga e dor crônica nesses pacientes. Esses fatores, por sua vez, prejudicam a capacidade funcional e qualidade de vida, gerando um mecanismo de ciclo vicioso entre esses parâmetros. Assim sendo, torna-se relevante estabelecer estratégias terapêuticas que possam resultar em uma diminuição e/ou na quebra deste ciclo vicioso. Diversos estudos têm mostrado a eficácia do uso de neuromodulação não-invasiva transcraniana (por exemplo: estimulação elétrica transcraniana de corrente contínua - tDCS) em diversas doenças para a diminuição da fadiga, modulação e redução da dor, e consequente melhoria da capacidade funcional e da qualidade de vida. Entretanto, até o presente momento, não há estudos avaliando a segurança e o benefício de tDCS em pacientes com MAS estáveis. Neste contexto, o nosso grupo iniciou dois estudos, cujos resultados preliminares tem mostrado que 3 sessões consecutivas de tDCS é seguro, sem levar a reativação das MAS. O presente projeto tem como objetivo realizar um maior número de sessões de tDCS, associado aos exercícios físicos, em pacientes com MAS, em diferentes fases de atividade da doença. Será avaliada, além da segurança, a eficácia da técnica (dor local e difusa, fadiga, funcionalidade global, mobilidade, equilíbrio, força muscular, capacidade funcional e qualidade de vida). Esta combinação de técnicas central e periférica, pode resultar em uma maior conectividade da rede neural, promovendo efeitos adicionais sobre a excitabilidade muscular, contribuindo, assim, na diminuição da dor percebida e da fadiga, e resultando em maior recrutamento muscular, melhora da força, função muscular, mobilidade e equilíbrio. Em síntese, uma melhora da capacidade funcional e da qualidade de vida esperada em pacientes com MAS pode indicar a utilização destas técnicas para a prática clínica e reumatológica. (AU)