Busca avançada
Ano de início
Entree

Papel da via de sinalização succinato/SUCNR1 em neurônios sensoriais no desenvolvimento da dor neuropática

Processo: 19/14285-3
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de outubro de 2019
Vigência (Término): 30 de junho de 2023
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Farmacologia - Farmacologia Geral
Pesquisador responsável:Thiago Mattar Cunha
Beneficiário:Francisco Isaac Fernandes Gomes
Instituição-sede: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:13/08216-2 - CPDI - Centro de Pesquisa em Doenças Inflamatórias, AP.CEPID
Assunto(s):Dor neuropática

Resumo

As dores crônicas representam um grande fardo para a sociedade e diversas são as tentativas de se elucidar os mecanismos a elas relacionados para a instituição de terapias eficazes. Modelos experimentais de dor crônica neuropática como a lesão mecânica de nervo periférico e a neuropatia periférica induzida por paclitaxel geram estresse celular no neurônio, aumentando o metabolismo local, podendo levar a um maior acúmulo de metabólitos, tais como o succinato. Este é um intermediário do ciclo do ácido cítrico e foi descoberto como ligante endógeno do receptor Sucnr1. Resultados não publicados do nosso grupo mostram que animais deficientes para o Sucnr1 são resistentes ao desenvolvimento de dor neuropática induzida por lesão traumática periférica de nervos e por quimioterapia. Além disso, identificamos que o Sucnr1 é expresso em neurônios sensitivos periféricos, tanto fibras C quanto A-beta. Diante dessas evidências, a presente proposta testará a hipótese de que a via succinato/Sucnr1, em neurônios sensitivos periféricos, seria fundamental para o desenvolvimento da dor neuropática experimental. Essa hipótese seria testada por meio de abordagens moleculares, comportamentais em animais deficientes para Sucnr1 apenas em neurônios sensoriais periféricos (Nav1.8 Cre- Sucnr1Flox/Flox; Ntrk2-CRE/ER-Sucnr1Flox/Flox, farmacológicas e genéticas. A possibilidade dessa comprovação adicionaria um conceito importante e inédito na área de pesquisa da dor crônica, sugerindo um novo sítio de atuação para terapias mais eficazes voltadas à analgesia.