Busca avançada
Ano de início
Entree

Papel das vesículas extracelulares produzidas durante o exercício na prevenção de NASH e HCC

Processo: 19/18223-2
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Doutorado Direto
Vigência (Início): 03 de fevereiro de 2020
Vigência (Término): 02 de fevereiro de 2021
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Farmacologia - Farmacologia Geral
Pesquisador responsável:Alice Cristina Rodrigues
Beneficiário:Mariana de Mendonça
Supervisor no Exterior: Mark Febbraio
Instituição-sede: Instituto de Ciências Biomédicas (ICB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Local de pesquisa : Monash University, Austrália  
Vinculado à bolsa:17/19513-9 - Papel dos microRNAs na regulação das adipocinas e miocinas: compreensão dos mecanismos moleculares envolvidos na interação entre tecido adiposo e músculo esquelético, BP.DD
Assunto(s):Exercício físico   Exossomos

Resumo

A esteato-hepatite não alcoólica (NASH) representa uma forma agressiva dentro do espectro da doença hepática gordurosa não alcoólica (NAFLD), que pode progredir para a fibrose hepática, cirrose e até mesmo o desenvolvimento de carcinoma hepatocelular (HCC). No entanto, nenhuma droga foi aprovada especificamente para a prevenção ou tratamento da NASH, principalmente porque é difícil decifrar os mecanismos moleculares subjacentes à patogênese da NASH e entender como ela progride para o HCC, estudando humanos. Consequentemente, o progresso neste campo depende da disponibilidade de modelos pré-clínicos confiáveis que sejam passíveis de análises genéticas e funcionais que exibam NASH com progressão para HCC. Já se foi demonstrado que o camundongo MUP-uPA é um modelo de HCC induzido por NASH que imita a doença humana e resultados preliminares do grupo do professor Febbraio demonstraram que o exercício melhora o desenvolvimento e progressão de NASH em camundongos MUP-uPA alimentados com dieta rica em gordura. Recentemente, o grupo do Professor Febbraio demonstrou que as vesículas extracelulares (EVs) são liberadas na circulação com o exercício, e experimentos de imagem de pulse-chase e de intravital sugerem que as EVs liberadas pelo exercício têm uma propensão a se localizar no fígado e transferir carga proteica. Isso levantou a possibilidade de que a transferência de EVs possa ser uma estratégia terapêutica potencial para o tratamento NASH. Assim, o objetivo deste estudo é testar a hipótese de que a transferência de exossomos oriundos de camundongos exercitados impedirá a progressão da NASH no modelo de camundongos MUP-uPA.