Busca avançada
Ano de início
Entree

Otimização do coquetel enzimático para obtenção de nanocelulose a partir da biomassa residual do processamento de etanol 2G

Processo: 19/15400-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de outubro de 2019
Vigência (Término): 30 de setembro de 2020
Área do conhecimento:Engenharias - Engenharia Química - Processos Industriais de Engenharia Química
Pesquisador responsável:Cristiane Sanchez Farinas
Beneficiário:Graziela Solferini Baccarin
Instituição-sede: Embrapa Instrumentação Agropecuária. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA). Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Brasil). São Carlos , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:16/10636-8 - Da fábrica celular à biorrefinaria integrada Biodiesel-Bioetanol: uma abordagem sistêmica aplicada a problemas complexos em micro e macroescalas, AP.BIOEN.TEM
Assunto(s):Engenharia bioquímica   Sacarificação   Hidrólise enzimática   Nanocelulose   Enzimas   Etanol   Propriedades físico-químicas

Resumo

No processo de produção do etanol 2G pela rota enzimática, a completa sacarificação da estrutura da celulose não é alcançada, principalmente em processos com altas cargas de sólidos. Essa fração sólida residual do processo de sacarificação da celulose é um material com característica cristalina, o que permite sua utilização na forma de nanocelulose. A nanocelulose, seja na forma de nanofibras ou nanocristais, possui aplicações em diferentes setores industriais, como na indústria cosmética, na medicina, em indústria de embalagens, biocatalisadores, dentre outros. Nesta proposta de iniciação científica, propõe-se avaliar coquetéis enzimáticos que tenham melhor desempenho na hidrólise da biomassa associado à geração de um sólido residual com características de nanocelulose. Assim, pretende-se avaliar diferentes coquetéis enzimáticos comerciais e também a associação de enzimas produzidas in-house visando à obtenção de nanocelulose exclusivamente por tecnologias inseridas em conceitos de química verde. A escolha da formulação enzimática que resulte em açúcares solúveis para a obtenção de etanol 2G associados a um sólido residual que possua características físico-químicas de nanocelulose poderá contribuir para a integração desses processos.