Busca avançada
Ano de início
Entree

Osteologia do autopódio de Tropiduridae (Squamata: Iguania): modularidade, integração fenotípica e uso de microhabitat

Processo: 19/02232-2
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de outubro de 2019
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2021
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Zoologia
Pesquisador responsável:Tiana Kohlsdorf
Beneficiário:Stella Marco Kyomen
Instituição-sede: Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:15/07650-6 - Ecologia, evolução e desenvolvimento (Eco-Evo-Devo) na herpetofauna brasileira, AP.TEM
Assunto(s):Biologia evolutiva   Tropiduridae   Osteologia   Micro-hábitat

Resumo

Na Biologia Evolutiva, o conceito de integração fenotípica presume que elementos que compartilham as mesmas vias de desenvolvimento e/ou executam funções interligadas seriam mais integrados entre si do que com outras estruturas presentes em determinado organismo. Nesse sentido, organismos multicelulares seriam estruturados em sistemas de unidades reconhecidos como módulos, os quais mantêm propriedades funcionais e estruturais intrínsecas que apresentam determinada interdependência entre as redes genótipo-fenótipo durante o desenvolvimento. Em Tetrapoda, o autopódio constitui um sistema singular e diversificado em aspectos morfológicos e funcionais, compartilhando semelhanças estruturais entre linhagens que podem ser explicadas tanto por efeitos de ancestralidade compartilhada quanto por convergência ecológica. Essa estrutura, portanto, torna-se singular para a investigação da evolução de padrões de covariância entre elementos osteológicos em cenários de diversificação ecológica, pois associações entre padrões osteológicos do autopódio e a ocupação de determinados nichos ecológicos podem elucidar o efeito de pressões seletivas específicas atuando na evolução integrada de características fenotípicas em determinadas linhagens. O presente projeto de mestrado objetiva testar a presença de módulos funcionais e de desenvolvimento no autopódio de representantes da família Tropiduridae (Squamata: Iguania), avaliando por meio de análises de variância e covariância a força de integração fenotípica de elementos osteológicos no autopódio em espécies que se ocupam ambientes estruturalmente distintos. Lagartos tropidurídeos ocupam uma expressiva variedade de substratos de locomoção em ambientes terrestres (rochas, areia, galhos e árvores), e associações ecomorfológicas identificam variações nas proporções relativas dos elementos do autopódio sem alteração da fórmula falangeal ancestral desse grupo. O desempenho locomotor nos diferentes ambientes é associado a morfologias específicas do autopódio, um padrão particularmente expressivo na locomoção em areia. Apesar das evidências de associação entre a morfologia e o desempenho locomotor em microhabitats específicos em Tropiduridae, o autopódio não foi investigado sob a perspectiva de modularidade e integração fenotípica por meio do uso de matrizes de variância e covariância. A investigação de padrões de integração fenotípica nesse contexto permitirá avaliar como o autopódio em lagartos é morfo-funcionalmente estruturado, além de fomentar inferências acerca dos mecanismos de desenvolvimento que poderiam afetar as relações entre eventuais módulos estabelecidos durante a história evolutiva de tetrápodes. (AU)