Busca avançada
Ano de início
Entree

Caracterização da resposta imune celular induzida em indivíduos infectados pelo vírus da Febre amarela e vacinados com a formulação YF17DD

Processo: 19/11462-1
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de setembro de 2019
Vigência (Término): 31 de agosto de 2020
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Pesquisador responsável:Esper Georges Kallás
Beneficiário:Clara Quitete Rabahi
Instituição-sede: Faculdade de Medicina (FM). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Infectologia   Febre amarela   Vacinas   Antígenos CD4   Linfócitos T CD4-positivos   Resposta imune

Resumo

A febre amarela (FA) é uma arbovirose, doença causada por um vírus, transmitida por mosquito infectado. O período de incubação é de 3 a 6 dias. A doença evolui com febre, mal-estar, calafrios, cefaleia e lombalgia, além de mialgia generalizada, náuseas e tontura. A FA não possui tratamento específico, sendo o seu manejo realizado apenas com cuidados clínicos. A proteção exclusiva é garantida pela vacinação, em dose única, que tem seu poder imunogênico comprovado pela produção de anticorpos neutralizantes e confere cerca de 98% de proteção. Embora existam pesquisas que relatem o importante papel dos anticorpos neutralizantes após a vacinação pela cepa vacinal 17DD, há poucos estudos relacionados à ativação de TCD4+ e TCD8 + que, em sua maioria, estão restritos à análise da resposta imunológica conferida pela cepa vacinal do vírus da febre amarela (YFV) e não pelo vírus selvagem. Assim, este estudo tem como objetivo identificar e comparar a resposta antígeno específica das células TCD4+ e TCD8+ de indivíduos vacinados pela cepa 17DD e em indivíduos naturalmente infectados pelo YFV. Para tanto, 10 pacientes vacinados e 20 pacientes infectados com o vírus selvagem serão avaliados quanto à ativação de linfócitos TCD4 + e TCD8+, utilizando pools de peptídeos específicos para proteínas YFV, a fim de identificar o perfil de memória e a capacidade de produção de citocinas que possam estar associadas com a forma de imunidade induzida por vacinação ou por infecção natural.