Busca avançada
Ano de início
Entree

Mecanismos de ação envolvidos nos efeitos do LA sobre a cicatrização de feridas em camundongos diabéticos: enfoque na resposta inflamatória e na angiogênese

Processo: 19/00596-7
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de dezembro de 2019
Vigência (Término): 30 de novembro de 2022
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Fisiologia - Fisiologia Geral
Pesquisador responsável:Hosana Gomes Rodrigues
Beneficiário:Jessica Rondoni Silva
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Aplicadas (FCA). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Limeira , SP, Brasil
Assunto(s):Pele   Ácido linoleico   Ácidos graxos   Cicatrização   Reparo tecidual   Diabetes mellitus   Resposta inflamatória   Angiogênese   Inflamação   Modelos animais

Resumo

O retardo na cicatrização de feridas afeta milhões de pessoas no mundo, principalmente indivíduos diabéticos. Tem sido demonstrado na literatura, tanto em estudos com animais de laboratório como ensaios clínicos, que a administração oral de ácido graxo linoleico (LA) melhora diferentes fases do reparo tecidual em condições normais. Assim, no presente trabalho, pretendemos investigar os efeitos da suplementação oral com o ácido graxo LA sobre a resposta inflamatória e a formação de vasos sanguíneos durante a cicatrização de feridas em camundongos diabéticos. Para a indução do Diabetes, utilizaremos protocolo de 5 doses consecutivas de estreptozotocina (45mg/Kg de peso corporal). Após a confirmação do Diabetes, os animais serão suplementados oralmente com LA puro (50¼L) durante 5 dias. Em seguida, induziremos as feridas no dorso dos animais e os tecidos cicatriciais serão coletados para as análises. Para avaliar os efeitos do LA sobre a resposta inflamatória utilizaremos animais nocautes para o receptor do fator de necrose tumoral (TNFR-/-). Nestes animais avaliaremos a produção de mediadores inflamatórios, bem como, os tipos celulares presentes na pele durante a cicatrização de feridas. Já para investigar os efeitos do LA sobre a angiogênese, utilizaremos animais reporter para a proteína de junção celular VE-caderina (VECaderinaCre+Tomato+) e animais nocautes tecido específico para HIF-1± apenas nas células endoteliais (VECaderinaCre+Tomato+HIF-1floxed). Nestes animais avaliaremos a expressão de genes envolvidos com a angiogênese, através de PCR array; analisaremos o estado de fosforilação de proteínas-chave para a angiogênese, com base nos resultados de PCRarray; avaliaremos a formação de vasos durante o processo de cicatrização através de citometria de fluxo em tecido; e investigaremos as etapas da angiogênese em organóides derivados da pele. (AU)