Busca avançada
Ano de início
Entree

Efeitos da exposição crônica à norepinefrina e ao carcinógeno NNK sobre a indução de características fenotípicas malignas em queratinócitos humanos de boca

Processo: 19/14022-2
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de outubro de 2019
Vigência (Término): 31 de outubro de 2021
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina
Pesquisador responsável:Daniel Galera Bernabé
Beneficiário:Diovana de Melo Cardoso
Instituição-sede: Faculdade de Odontologia (FOA). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Araçatuba. Araçatuba , SP, Brasil
Assunto(s):Oncologia   Neoplasias bucais   Estresse crônico   Norepinefrina   Transformação celular neoplásica   Queratinócitos

Resumo

Evidências recentes mostram que o estresse crônico e seus neurohormônios como a norepinefrina podem influenciar a progressão de alguns tipos de câncer. Entretanto, os efeitos dos hormônios relacionados ao estresse sobre a tumorigênese são pobremente conhecidos. Embora seja amplamente conhecido que o tabaco e o álcool são os principais fatores de risco do câncer de boca, ainda não há estudos que tenham avaliado os efeitos diretos da norepinefrina na presença ou ausência do carcinógeno químico derivado do tabaco 4 (N-metil-N-nitrosamino)-1-(3-piridil)-butano-1-ona) (NNK) sobre a transformação maligna de queratinócitos humanos de boca. O objetivo do presente projeto será avaliar os efeitos da norepinefrina sobre a indução de alterações fenotípicas associadas à carcinogênese bucal em queratinócitos humanos de boca. Estas células serão expostas à norepinefrina (10 ¼M) na presença e/ou ausência de NNK (10 ¼M). Células não estimuladas serão utilizadas como controle. Após 30 dias de exposição ao hormônio e/ou carcinógeno, as células epiteliais serão avaliadas quanto a presença de características morfológicas de malignidade e potencial para formação de colônias de células neoplásicas, índice de proliferação e migração/invasão celular. Testes estatísticos específicos serão utilizados para determinar se há diferenças significativas entre os grupos tratados com o hormônio na presença ou ausência de NNK. Espera-se que este projeto possa trazer novas descobertas a respeito do processo de início e progressão do câncer de boca.