Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação do tratamento do lúpus eritematoso cutâneo com talidomida: fatores clínicos, laboratoriais e histológicos associados à resposta clínica e efeitos adversos

Processo: 19/21173-7
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de outubro de 2019
Vigência (Término): 30 de setembro de 2020
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Pesquisador responsável:Clovis Artur Almeida da Silva
Beneficiário:Carolina Torres Ribeiro
Instituição-sede: Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (HCFMUSP). Secretaria da Saúde (São Paulo - Estado). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:15/03756-4 - Avaliação da relevância dos níveis sanguíneos de drogas utilizadas em doenças autoimunes reumatológicas no acompanhamento da segurança, eficácia e aderência à terapêutica, AP.TEM
Assunto(s):Reumatologia   Lúpus eritematoso cutâneo   Fatores de necrose tumoral   Talidomida   Volume plasmático   Saliva   Marcadores inflamatórios   Técnicas histológicas   Avaliação terapêutica

Resumo

A saliva é uma matriz alternativa sugerida para individualização e otimização da terapia em doenças crônicas, pelo fato de ser não invasivo na obtenção, menos complexa em comparação às matrizes convencionais e por oferecer, em geral, uma boa correlação com a droga livre no soro. No entanto, poucos estudos exploraram o potencial de se monitorar fármacos nessa matriz, em parte, devido à baixa sensibilidade dos métodos bioanalíticos quantitativos disponíveis. O recente desenvolvimento de espectrômetros de massas em tandem de alto desempenho e precisão tem possibilitado a mensuração dos valores muito baixos de fármacos em pequenos volumes de matrizes não convencionais. Na área da reumatologia, existem poucos estudos de monitorização de níveis circulantes de fármacos, sendo que não há estudos de monitorização dos níveis circulantes de talidomida. A talidomida é um agente imunomodulador utilizado para o tratamento da atividade cutânea do LES eLEC, mesmo em pacientes refratários a outras medicações. A sua alta eficácia associada à uma reposta muito rápida do quadro cutâneo, tornaram essa droga uma das medicações de escolha em pacientes sem contraindicação. A talidomida age principalmente inibindo a síntese do TNF-±. Além disso, a talidomida parece inibir a apoptose dos queratinócitos induzida pela radiação ultravioleta B. Existem vários efeitos adversos reportados para talidomida, incluindo tonturas, dor abdominal e polineuropatia periférica, além da sua conhecida teratogenecidade. Foi descrito recentemente que a neuropatia de fibras finas está associada à terapia anti-TNF-±, com achados clínicos e de biópsia de pele sugestivos de envolvimento da raiz dorsal posterior em pacientes com artrite reumatoide. No sentido de compreender melhor os mecanismos envolvidos na resposta terapêutica da talidomida e nos efeitos adversos, pretendemos avaliar se os níveis plasmáticos e salivares junto com a expressão tecidual de TNF-±, no início do tratamento, seriam parâmetros relevantes como preditores da resposta à terapia. Além disso, será feita uma avaliação longitudinal dos marcadores inflamatórios e da concentração plasmática e salivar de talidomida para estabelecer o papel desta abordagem no acompanhamento da eficácia da terapia no LES. (AU)