Busca avançada
Ano de início
Entree

Assistência para trabalhos de campo para coleta de espécimes, venenos e glândulas: com enfoque em ilhas e regiões costeiras

Processo: 19/21121-7
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Vigência (Início): 01 de outubro de 2019
Vigência (Término): 30 de setembro de 2020
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Zoologia
Convênio/Acordo: NSF - Dimensions of Biodiversity e BIOTA
Pesquisador responsável:Inácio de Loiola Meirelles Junqueira de Azevedo
Beneficiário:Frederico de Alcântara Menezes
Instituição-sede: Instituto Butantan. Secretaria da Saúde (São Paulo - Estado). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:16/50127-5 - Dimensions US-BIOTA São Paulo: scales of biodiversity: integrated studies of snake venom evolution and function across multiple levels of diversity, AP.BTA.TEM
Assunto(s):Herpetologia   Inventário   Diversidade genética   Venenos   Serpentes   Ilhas

Resumo

O Brasil apresenta grande complexidade natural com a presença de diversas formações vegetais e animais, colocando-o entre os países com maior diversidade de serpentes. Atualmente existem 243 espécies de serpentes descritas registradas para o Brasil, o que representa cerca de 10% da fauna ofídica mundial. Essa riqueza ainda é subestimada devido à escassez de inventários de herpetofauna em algumas regiões e a medida que novos estudos são realizados, novas espécies são registradas. Nos últimos anos a FAPESP concentrou suas pesquisas em inventários de fauna, possibilitando a formação de uma lista mais detalhada sobre a diversidade e evidenciando uma grande lacuna de dados ainda existente. Estudos recentes buscam esclarecer a origem filogenética das serpentes para, portanto, descobrir a partir de qual ambiente o grupo teve sua irradiação. O projeto Escalas da Biodiversidade visa esclarecer como os venenos contribuíram com os padrões de diversificação nas serpentes atuais, testando a relação entre diversidade e ações de venenos e taxas de diversificação em serpentes. Para que tal objetivo seja atingido, expedições de coleta são fundamentais para amostrar a diversidade de venenos em diferentes regiões, fazendo-se necessária a presença de um técnico responsável pela organização da logística do campo. O bolsista tem com objetivo realizar expedições de coleta em ilhas e em regiões de mata atlântica costeira próximas a ilhas, a fim de comparar a composição intra e interespecífica do veneno; promover apoio técnico durante toda a logística de campo, auxiliar na escolha das áreas de coleta e processamento do material biológico; elaborar relatórios técnicos; auxiliar na extração de glândulas e tecidos. (AU)