Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação da toxicidade aguda e da atividade gastroprotetora da flavona crisina em roedores fêmeas

Processo: 19/12510-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de novembro de 2019
Vigência (Término): 31 de outubro de 2020
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Farmacologia - Farmacologia Geral
Pesquisador responsável:Raquel de Cássia dos Santos
Beneficiário:Quélita Cristina Pereira
Instituição-sede: Universidade São Francisco (USF). Campus Bragança Paulista. Bragança Paulista , SP, Brasil
Assunto(s):Tratamento farmacológico   Úlcera gástrica   Toxicidade aguda   Compostos bioativos   Flavonas   Caracterização   Camundongos

Resumo

O presente projeto tem por objetivo avaliar o potencial farmacológico da flavona crisina, um flavonoide encontrado naturalmente em mel, própolis e várias espécies de plantas, como o maracujá do mato (Passiflora coerulea) frente à úlcera gástrica induzida por etanol e avaliar se a crisina apresenta alterações toxicológicas em camundongos fêmeas. A crisina, apresenta promissora atividade gastroprotetora em camundongos machos (FAPESP processo 2016/21102-4). Deste modo, para investigar sua segurança, será realizado teste de toxicidade aguda, como indicado pela OECD, na qual camundongos fêmeas serão tratadas com dose única de crisina (2000mg/kg), tendo diversos parâmetros comparados ao grupo veículo (análise histológica do coração, rins e fígado, análise dos níveis plasmáticos de AST, Gama-GT, AST, ureia, creatinina, glicose). Adicionalmente, com base nas diferenças entre machos e fêmeas, será realizado o modelo de indução de etanol absoluto em fêmeas, para comparar a atividade nas mesmas doses já avaliadas em machos. Distintos trabalhos indicam que a resposta farmacológica difere em machos e fêmeas, assim, este trabalho objetiva analisar se a Crisina promove gastroproteção também em fêmeas, se essa resposta se assemelha ao encontrado em machos e quais mecanismos estão envolvidos, analisando parâmetros macroscópicos de lesão gástrica, antioxidantes (SOD, CAT, GSH), inflamatórios (MPO) e morfológicos (histologia). Os resultados obtidos fornecerão dados sobre a segurança e toxicidade da flavona crisina como também responderão se a atividade frente à úlcera gástrica é semelhante à encontrada em camundongos machos, além de fornecer subsídios científicos para a futura incorporação deste composto como opção terapêutica. (AU)