Busca avançada
Ano de início
Entree

Efeitos da estimulação elétrica neuromuscular de corpo inteiro no controle autonômico cardíaco e na capacidade funcional de indivíduos obesos após cirurgia bariátrica

Processo: 18/13332-5
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de dezembro de 2019
Vigência (Término): 30 de novembro de 2021
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Fisioterapia e Terapia Ocupacional
Pesquisador responsável:Audrey Borghi e Silva
Beneficiário:Paula Angélica Ricci
Instituição-sede: Centro de Ciências Biológicas e da Saúde (CCBS). Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR). São Carlos , SP, Brasil
Assunto(s):Estimulação elétrica   Obesidade   Cirurgia bariátrica   Capacidade funcional   Variabilidade da frequência cardíaca

Resumo

Os comprometimentos causados pela Obesidade incluem dificuldades respiratórias, distúrbios do aparelho locomotor, doenças cardiovasculares e favorecimento de enfermidades. A cirurgia bariátrica é o tratamento mais efetivo para Obesidade grau III. A cirurgia de bypass gástrico convencional, associada à restrição dietética nas primeiras semanas, limita a prática de exercício físico. Neste contexto, a estimulação elétrica neuromuscular de corpo inteiro (EENMC), uma estratégia que estimula vários grupamentos musculares, tem se mostrado uma opção promissora e inovadora para realçar a perda de peso, melhorar a capacidade de exercício e a força muscular periférica, além de impactar positivamente em efeitos sistêmicos logo após a cirurgia. Contudo, os efeitos do tratamento no controle autonômico cardíaco e na capacidade funcional de pacientes submetidos à cirurgia bariátrica permanecem desconhecidos. Objetivos: Avaliar o controle autonômico por meio da variabilidade da Frequência Cardíaca (FC) e a capacidade funcional de candidatos à cirurgia bariátrica antes e após a intervenção cirúrgica, com aplicação de EENMC. Desenho do estudo: Ensaio clínico placebo controlado, randomizado e duplo-cego. Métodos: Trinta e seis voluntários obesos serão randomizados em dois grupos, sendo grupo EENMC = 18 sujeitos e grupo controle (Sham) = 18 sujeitos. Os participantes serão avaliados no pré-operatório quanto à função pulmonar, capacidade máxima e submáxima de exercício, e a captação dos intervalos R-R (iR-R) em repouso e no exercício submáximo. No 2° dia após a alta hospitalar, os participantes serão avaliados quanto à capacidade submáxima de exercício pelo teste de degrau de dois minutos, a composição corporal, a FC e os iR-R. O treinamento com EENMC ou placebo será realizado em 30 sessões, cinco vezes por semana, durante seis semanas consecutivas. Após este período, todas as avaliações realizadas no período pré-cirúrgico serão novamente realizadas. Espera-se que os indivíduos obesos submetidos a EENMC apresentarão maior melhora no controle autonômico cardíaco em repouso e durante o exercício submáximo quando comparados aos indivíduos do grupo sham. (AU)