Busca avançada
Ano de início
Entree

Estudo comparativo da resposta imune do macrófago humano infectado com diferentes espécies do Complexo Mycobacterium tuberculosis

Processo: 19/21847-8
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de novembro de 2019
Vigência (Término): 31 de outubro de 2021
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Microbiologia - Microbiologia Aplicada
Pesquisador responsável:Ana Marcia de Sá Guimarães
Beneficiário:Felipe Silva
Instituição-sede: Instituto de Ciências Biomédicas (ICB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:16/26108-0 - Biologia sistêmica e comparativa do complexo Mycobacterium tuberculosis: efeitos da variabilidade genética no fenótipo bacteriano, AP.JP
Assunto(s):Resposta imune   Tuberculose   Macrófagos   Mycobacterium tuberculosis

Resumo

A tuberculose (TB) é uma doença infecciosa causada por bactérias do complexo Mycobacterium tuberculosis (MTBC) e Mycobacterium canettii, defendendo o podium de doença infecciosa líder em mortalidade no mundo, segundo os dados da Organização Mundial de Saúde. O MTBC é composto por 12 espécies bacterianas similares geneticamente que evoluem clonalmente por meio de mutações pontuais, pela deleção de regiões de até 12 Kb, por elementos de inserção e pela duplicação de um número limitado de famílias de genes parálogos. Genomas do MTBC não sofrem grandes recombinações e não realizam transferência horizontal de genes. O M. canettii não faz parte deste complexo clonal e apresenta evidência de recombinação genômica e transferência horizontal de genes, contudo essa é uma espécie de micobactéria tuberculosa com ancestral comum ao MTBC que possui grande parte do seu genoma composto por genes homólogos ao complexo. Apesar da alta similaridade genética, membros do MTBC diferem entre si no que se refere à virulência e tropismo por hospedeiros. Dentre as espécies de micobactérias tuberculosas com interesse em saúde humana destacam-se: M. tuberculosis (o principal causador da tuberculose em humanos), Mycobacterium africanum 1 (L6) e 2 (L5) e M. canettii, altamente adaptados aos humanos, e Mycobacterium bovis e Mycobacterium caprae, com predileção mais irrestrita por espécies hospedeiras e causadores da tuberculose zoonótica. Por causarem sintomatologia semelhante à tuberculose causada por M. tuberculosis, o entendimento dos mecanismos de patogenicidade das outras espécies bacterianas como M. canettii e M. africanum são pouco conhecidos. Adicionalmente, a ocorrência desses dois patógenos é restrita a populações humanas do Leste e Oeste da África, respectivamente. Por sua vez, M. bovis, e possivelmente M. caprae, principais causadores da tuberculose em animais (podendo estabelecer reservatórios nestas espécies), são dificilmente transmitidos entre humanos, mesmo em casos de doença pulmonar, e não persistem nessa população. Em vista dessas diferenças de adaptabilidade hospedeira, diversos mecanismos moleculares de evasão da resposta imune utilizados para permanência das bactérias do MTBC dentro de macrófagos, a principal célula alvo destes patógenos, foram pouco explorados. Portanto, esse projeto tem como objetivo avaliar comparativamente a resposta do macrófago humano infectado com as diferentes espécies do MTBC por meio da quantificação da liberação de citocinas, avaliação da morte celular e da aplicação de RT-qPCR array de genes do macrófago relacionados a resposta imune. Espera-se identificar respostas imunes distintas dos macrófagos humanos infectados com as diferentes espécies bacterianas, que irão proporcionar bases para compreensão das respostas imune geradas pelas variações fenotípicas que compreendem o grupo clonal MTBC. (AU)