Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação de fungos entomopatogênicos encapsulados em matriz de pectina para o controle de Atta Sexdens Forel, 1908 (Hymenoptera, Formicidae)

Processo: 19/12657-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de janeiro de 2020
Vigência (Término): 30 de setembro de 2020
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Agronomia - Fitossanidade
Pesquisador responsável:Ricardo Toshio Fujihara
Beneficiário:Erick Sekiama Rocha
Instituição-sede: Centro de Ciências Agrárias (CCA). Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR). Araras , SP, Brasil
Assunto(s):Controle biológico   Agentes de controle biológico   Micro-organismos   Fungos entomopatogênicos   Formigas cortadeiras

Resumo

Sabemos que a principal forma de controle de formigas-cortadeiras (gêneros Atta e Acromyrmex), é por meio de iscas granuladas à base de sulfluramida. Porém, este é um método que pode acarretar problemas ambientais e de saúde. O controle biológico com fungos entomopatogênicos, pode ser uma alternativa eficaz, segura e ecologicamente sustentável. Contudo, devido à dificuldade em se desenvolver um veículo eficiente de contaminação, o uso desses agentes biológicos ainda não é uma realidade. Em um experimento piloto, avaliamos a compatibilidade de encapsulados constituídos por pectina (um biopolímero) e polpa cítrica (atrativo), e observamos que os mesmos foram incorporados por operárias de Atta sexdens no jardim de fungos, não havendo rejeição, e demonstrando seu potencial de uso. Dessa maneira, buscamos desenvolver um encapsulado à base de pectina, capaz de carrear e manter viáveis metabolicamente, fungos entomopatogênicos, preservando seu potencial de contaminação. Em laboratório, serão avaliadas as concentrações de pectina e polpa cítrica, e a faixa de temperatura propícias para manter a viabilidade dos fungos selecionados. Posteriormente, serão produzidos os encapsulados em matriz de pectina contendo o atrativo e a suspensão fúngica dos diferentes isolados. O delineamento constará dos seguintes tratamentos: sem fungo entomopatogênico - controle; Beauveria bassiana; Metarhizium anisopliae; Isaria farinosa, e sulfluramida - formicida padrão a 0,3% de ingrediente ativo. Serão avaliados o transporte e a incorporação dos encapsulados, bem como a mortalidade de operárias de A. sexdens. Os resultados podem gerar subsídios para estudos futuros envolvendo o controle microbiano de formigas-cortadeiras, promovendo uma agricultura mais sustentável.