Busca avançada
Ano de início
Entree

Condições socioeconômicas, demográficas e comportamentos de saúde associados ao sentimento de solidão em idosos de Campinas: um estudo de base populacional

Processo: 19/19580-3
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de fevereiro de 2020
Vigência (Término): 31 de janeiro de 2021
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Saúde Coletiva - Epidemiologia
Pesquisador responsável:Margareth Guimarães Lima
Beneficiário:Taynara Cristina Silva Ribeiro
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Médicas (FCM). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Assunto(s):Saúde pública   Idosos   Isolamento social   Prevalência   Solidão   Fatores socioeconômicos   Entrevistas (psicologia)   Campinas (SP)

Resumo

O sentimento de solidão é a percepção subjetiva de isolamento social e tem ganhado especial destaque nas últimas décadas por estar associado a maior morbimortalidade por câncer, doenças cardiovasculares e outras enfermidades. Os mecanismos através dos quais a solidão afeta a saúde não estão totalmente estabelecidos, mas são apontados como potenciais mediadores os comportamentos prejudiciais em saúde, má qualidade de sono, além de alterações fisiológicas e neuroendócrinas. A população idosa parece ter maior vulnerabilidade ao sentimento de solidão por diminuição do número de relações sociais, aumento do tempo gasto só, envelhecimento físico e redução da resiliência. Alguns estudos internacionais buscaram estabelecer a prevalência do sentimento de solidão em comunidades e fatores sociais e demográficos associados. No Brasil, poucos estudos foram desenvolvidos a respeito do tema, sendo que nenhum deles corresponde a estudo de base populacional. O objetivo do presente trabalho é estimar a prevalência do sentimento de solidão na população idosa de Campinas, os fatores socioeconômicos e demográficos envolvidos e sua relação com comportamentos em saúde. Serão analisados dados de moradores de Campinas com 60 anos ou mais, não institucionalizados, que foram entrevistados no 3º Inquérito de Saúde de Campinas (ISACamp 2014/15).