Busca avançada
Ano de início
Entree

O professor nos tempos da técnica: a docência entre a ação e a fabricação

Processo: 19/14645-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de janeiro de 2020
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2022
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Educação - Fundamentos da Educação
Pesquisador responsável:José Sergio Fonseca de Carvalho
Beneficiário:Caroline Fanizzi
Instituição-sede: Faculdade de Educação (FE). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Filosofia da educação   Professores   Trabalho docente   Psicanálise

Resumo

Na trama discursiva que hoje constitui a educação, parece ser reservado lugar prioritário aos discursos que se situam essencialmente na dimensão técnica e metodológica do ofício. Nesta lógica, o ato educativo e as relações que nele se estabelecem passam a ser percebidos como passíveis de serem mensurados, previstos e controlados, a despeito daquilo que inevitavelmente emerge na dimensão concreta de suas práticas e da ação dos sujeitos neles envolvidos. Em tal contexto, que lugar restaria ao professor? Sob a hegemonia de discursos que pretendem enredar tudo aquilo que se passa no educar, lançamo-nos ao questionamento se seria permitido ao professor ocupar um lugar de enunciação em nome próprio. Na lógica tecnocientífica, a dimensão da experiência na função docente é esvaziada, obliterando a figura que aqui propomos chamar de professor-narrador: um professor a quem revela-se possível transmitir e narrar aquilo que se situa essencialmente na ordem da experiência e da tradição (enquanto solo comum entre diferentes gerações); um professor a quem é possível deixar marcas que o singularizam e historicizam através do ensino. Do aparente não-lugar reservado ao professor e da percepção da educação como processo semelhante à fabricação de um objeto de uso, decorrem uma série de implicações para o ato educativo e os sujeitos nele envolvidos. Questionamo-nos neste ponto se estaria o chamado mal-estar docente - suas queixas, seus adoecimentos, sentimentos de desvalorização e desautorização - vinculado a este esvaziamento do lugar docente e à sua impossibilidade de enunciação. Tais relações, bem como os discursos e mecanismos mobilizados nesse esvaziamento, serão aqui investigados e discutidos a partir da escuta daquele que cotidianamente o vivencia - o professor - e do estudo de importantes autores que se dedicaram às temáticas do presente projeto. (AU)