Busca avançada
Ano de início
Entree

Arquivos e narrativas: a experiência balinesa na exposição colonial de 1931

Processo: 19/14491-2
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de dezembro de 2019
Vigência (Término): 30 de novembro de 2021
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Antropologia - Teoria Antropológica
Pesquisador responsável:Fernanda Arêas Peixoto
Beneficiário:Juliana Coelho de Souza Ladeira
Instituição-sede: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Exposições   Colonialismo   Artistas   Indonésia   Século XX

Resumo

O projeto de pesquisa pós-doutoral "Arquivos e narrativas: a experiência balinesa na Exposição Colonial de 1931" propõe acessar os arquivos inéditos da família de Cokorda Gede Raka Sukawati, em Bali, Indonésia, com o intuito de reunir, analisar documentos e colher depoimentos remanescentes dos artistas balineses que se apresentaram neste evento. Busca-se compreender este acontecimento sob a perspectiva pouco explorada dos colonizados, além de identificar os possíveis desdobramentos dessa experiência em Bali. Dessa forma, norteia-se pela questão principal: se a Exposição Colonial foi uma mise en scène do mundo organizada pelas nações europeias, qual teria sido a percepção dos balineses participantes deste evento? Para responder a essa pergunta, a pesquisa será realizada em torno de dois eixos estruturantes. O primeiro eixo corresponde a um trabalho de campo em Bali, nos arquivos de Cokorda Gede Raka Sukawati e com informantes ainda vivos. Além de membro da família real de Ubud e personalidade influente nos círculos da administração holandesa, Cokorda Gede Raka Sukawati foi diretor e responsável artístico do grupo de performers que foram à Paris. O segundo eixo estruturante relaciona-se com os dispositivos de encenação do outro agenciados na Exposição Colonial de 1931. Portanto, apresentamos a hipótese de que a Exposição colocava em cena elementos diversos, mobilizando linguagens e recursos etnográficos, com o intuito de criar um "efeito de autenticidade" no espectador. Dessa forma a partir da análise deste material inédito, propomos uma discussão mais ampliada da Exposição Colonial de 1931, por meio de uma mudança de perspectiva na análise do tema, olhando-o do ângulo do artista balinês, ainda não considerado na literatura sobre o assunto. (AU)