Busca avançada
Ano de início
Entree

Melhoria da representação da respiração autotrófica em um modelo de vegetação baseado em atributos funcionais e sua sensibilidade à mudanças climáticas

Processo: 19/14406-5
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de janeiro de 2020
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2020
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Ecologia - Ecologia de Ecossistemas
Pesquisador responsável:David Montenegro Lapola
Beneficiário:Thalia Marques Andreuccetti
Instituição-sede: Centro de Pesquisas Meteorológicas e Climáticas Aplicadas à Agricultura (CEPAGRI). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:15/02537-7 - AmazonFACE/ME: projeto de integração Modelagem-Experimento do Amazon-FACE - o papel da biodiversidade e feedbacks climáticos, AP.PFPMCG.JP
Assunto(s):Sistemas dinâmicos   Mudança climática   Atributos funcionais de plantas   Florestas tropicais   Pesquisa bibliográfica   Estudo observacional

Resumo

A respiração autotrófica (RA) está intimamente ligada à (processos) ecofisiológicos da planta (e.g. crescimento, alocação de carbono, absorção de nitrogênio) que acabam por determinar o balanço geral de carbono. Entretanto, a representação da mesma apresenta limitações dentro de DVGMs (Dynamic Global Vegetation Model). O presente projeto traz como objetivo promover a melhoria da representação da RA no DVGM trait-based CAETÊ. A equação atual RA desse modelo é simplista e foi desenvolvida para ecossistemas temperados, sendo insuficiente para inferir RA em ecossistemas tropicais e mega diversos como a floresta Amazônica, o foco do presente estudo. Para tal, será realizada revisão bibliográfica relativa aos conceitos teóricos e a análise das equações de RA de outros DGVMs. Para ser passível de inserção ao CAETÊ, as equações escolhidas precisam dividir esse processo em respiração de crescimento e respiração de manutenção. Assim, serão escolhidas equações aplicáveis para posterior inserção no modelo. Após, serão realizadas análises da performance dessas equações através da comparação com dados observacionais e resultados de outros DVGMs, para determinarmos qual das equações sugeridas representa RA de maneira mais fidedigna. Também serão realizados testes de sensibilidade do CAETÊ com o uso dessas equações através de modificações em variáveis climáticas (e.g. temperatura). Como resultado desse trabalho, esperamos que o modelo CAETÊ seja capaz de representar a resposta da vegetação às variáveis ambientais de forma mais compatível com os dados observacionais e, por consequência, uma melhor inferência dos efeitos decorrentes das mudanças climáticas em florestas tropicais. (AU)