Busca avançada
Ano de início
Entree

Manifestações neurológicas associadas a infecções por arbovírus em São José do Rio Preto, São Paulo, Brasil

Processo: 19/23404-6
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de janeiro de 2020
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2020
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Pesquisador responsável:Maurício Lacerda Nogueira
Beneficiário:Pedro Henrique Carrilho Garcia
Instituição-sede: Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto (FAMERP). Secretaria de Desenvolvimento Econômico (São Paulo - Estado). São José do Rio Preto , SP, Brasil
Assunto(s):Virologia   Doenças transmissíveis   Doenças parasitárias   Vírus Zika   Dengue   Síndrome de Guillain-Barré   Arbovirus   Líquido céfalorraquidiano   Técnicas de diagnóstico molecular   Diagnóstico clínico

Resumo

Os arbovírus são transmitidos por diversos vetores artrópodes hematófagos da ordem Díptera, como o Aedes aegypti e Aedes albopictus. São encontrados, sobretudo, em áreas tropicais onde as condições climáticas favorecem a manutenção dos vetores. Duas famílias de arbovírus se destacam pelo impacto na saúde pública: Togaviridae, com representantes como os vírus Chikungunya (CHIKV), Mayaro (MAYV) e Encefalite equina do Leste (EEEV); e a família Flaviviridae, com os vírus da Dengue (DENV), da Febre Amarela (YFV) e do Zika (ZIKV). No Brasil, observou-se um aumento na incidência dessas arboviroses nos últimos anos. O surto de infecções por ZIKV tem apresentado uma associação ao aumento de casos de microcefalia e outras desordens neurológicas no país e no mundo, sendo considerado um problema de saúde pública internacional. O DENV e CHIKV são arbovírus que apresentam uma recente emergência como causadores de manifestações neurológicas, sendo associados à Síndrome de Guillain-Barré (SBG) e à mielite transversa. Desta forma, este projeto consiste em avaliar retrospectivamente a incidência de arbovírus como agentes neurotrópicos em amostras de líquido cefalorraquidiano de pacientes com sintomas neurológicos compatíveis com meningo-encefalite viral, paralisia flácida, mielite transversa e SGB, a fim de estabelecer uma correlação do diagnóstico clínico e virológico com a morbidade e mortalidade. Além disso, trará importantes informações para a realização de diagnóstico diferencial e para o estabelecimento de perfis de agentes etiológicos associados às desordens do sistema nervoso central e periférico. (AU)