Busca avançada
Ano de início
Entree

Estudo da internalização do peptídeo C16, derivado da laminina-111, através de vesículas endocíticas e sua possível exocitose por células de câncer de mama

Processo: 19/24179-6
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Doutorado
Vigência (Início): 23 de março de 2020
Vigência (Término): 22 de setembro de 2020
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Morfologia - Citologia e Biologia Celular
Pesquisador responsável:Ruy Gastaldoni Jaeger
Beneficiário:Maria Raquel Unterkircher Galheigo
Supervisor no Exterior: Alissa Margaret Weaver
Instituição-sede: Instituto de Ciências Biomédicas (ICB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Local de pesquisa : Vanderbilt University (VU), Estados Unidos  
Vinculado à bolsa:16/20228-4 - Interação entre o peptídeo C16, derivado da laminina-111, e a integrina beta 1 em células de mama. mecanismos envolvidos e consequências funcionais, BP.DR
Assunto(s):Biologia tumoral

Resumo

O câncer de mama está entre as principais causas de mortalidade no mundo. O microambiente tumoral assume papel importante durante a progressão dessa doença. Tal microambiente é composto por diferentes tipos de células as quais se encontram inseridas na matriz extracelular (MEC). A laminina-111 é a principal glicoproteína da MEC e, quando clivada, expõe peptídeos os quais tem demonstrado desempenhar funções relevantes durante a progressão tumoral. Nosso grupo mostrou que o peptídeo C16 (KAFDITYVRLKF, braço curto da cadeia ³1) é capaz de regular a migração e invasão de células tumorais, assim como a formação de invadopódios pelas mesmas. De acordo com nossos dados preliminares, o peptídeo C16 é endocitado e direcionado para degradação através da via eendossomo-lisossomo. Acreditamos que esse resultado, associado aos demais, possa indicar que esse peptídeo poderia estar participando da via de reciclagem de integrinas. Sendo assim, propomos para esse projeto, explorar em mais detalhes a endocitose do peptídeo através do imageamento de células transfectadas com marcadores para endossomos iniciais e tardios e tratadas com o peptídeo ligado à rodamina. Ainda, gostaríamos de estudar se esse peptídeo seria encontrado em vesículas extracelulares. Para tanto, serão utilizados o peptídeo C16 fluorescente e o pHluorin_M153R-CD63, um repórter que permite a análise da secreção de exossomos. Tal resultado nos mostraria se o peptídeo internalizado estaria sendo exocitado a partir dos exossomos.