Busca avançada
Ano de início
Entree

Influência da viscosidade no desempenho do ácido hialurônico como veículo injetável em terapia celular com células tronco mesenquimais

Processo: 19/13670-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de janeiro de 2020
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2020
Área do conhecimento:Interdisciplinar
Pesquisador responsável:André Capaldo Amaral
Beneficiário:Graziela Francisca de Araújo Terciotti
Instituição-sede: Universidade de Araraquara (UNIARA). Associação São Bento de Ensino. Araraquara , SP, Brasil
Assunto(s):Biotecnologia   Medicina regenerativa   Terapia baseada em transplante de células e tecidos   Viscosidade   Ácido hialurônico   Células-tronco   Simulação por computador   Técnicas in vitro

Resumo

O ácido hialurônico (AH) é um biopolímero constituinte da matriz extracelular de diversos tecidos do corpo humano, destacando-se na constituição do líquido sinovial nas articulações sinoviais. Atualmente, devido à sua biocompatibilidade, tem sido empregado como veículo na terapia celular injetável, utilizando células-tronco mesenquimais (CTMs) autólogas, para o tratamento de patologias musculoesqueléticas de origem degenerativa ou traumáticas. Evidenciam-se, até então, efeitos terapêuticos preliminares promissores e as pesquisas avançam no sentido de estabelecer os parâmetros celulares capazes de determinar os melhores resultados terapêuticos. Entretanto, ainda não foi investigada a influência das características físico-químicas do AH no processo de administração e eficácia terapêutica desta terapia celular injetável. Dessa forma, este trabalho almeja avaliar a influência da viscosidade do AH sobre a viabilidade celular, no transcorrer do processo de administração, quando utilizado como veículo na terapia celular em medicina regenerativa injetável. O projeto será realizado em duas etapas, a primeira consistirá na confecção de um modelo virtual que permita a simulação computacional da influência da viscosidade do AH sobre os esforços mecânicos gerados e os riscos à viabilidade celular no transcorrer da administração. A segunda etapa consistirá na condução de ensaios in vitro, utilizando parâmetros previamente estabelecidos em ambiente virtual, que permitirão determinar a real influência sobre a viabilidade de células-tronco adultas derivadas tecido gorduroso infrapatelar humano (CTMGPh). Tais células serão extraídas de um voluntário, por meio de um procedimento de artroscopia de joelho, isoladas e expandidas previamente a realização dos ensaios. Com a compreensão da influência desta variável será possível estabelecer parâmetros ideais para a devida utilização do AH como veículo em terapia celular injetável. (AU)