Busca avançada
Ano de início
Entree

Alteração da macrofauna bentônica decorrente da deposição de corais-invasores Tubastraea spp. (Anthozoa, Scleractinia) em substratos inconsolidados

Processo: 19/20359-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de janeiro de 2020
Vigência (Término): 30 de abril de 2021
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Ecologia - Ecologia de Ecossistemas
Pesquisador responsável:Marcelo Visentini Kitahara
Beneficiário:Lucca de Albuquerque Cavalcanti Savio
Instituição-sede: Instituto do Mar (IMar). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus Baixada Santista. Santos , SP, Brasil
Assunto(s):Fauna bentônica   Homogeneização   Invasão biológica

Resumo

Invasões biológicas são consideradas uma das principais ameaças para a biodiversidade global e funcionamento dos ecossistemas. Nos oceanos, geram impactos em comunidades marinhas bentônicas e pelágicas, e consequentemente, nas paisagens marinhas. Em meados dos anos 1980, as espécies de coral Tubastraea coccinea e Tubastraea tagusensis foram acidentalmente introduzidas no litoral brasileiro, provavelmente incrustadas em plataformas de petróleo e gás. Atualmente, tais espécies são registradas em grande parte das zonas costeiras brasileiras, incluindo diversas unidades de conservação. Comumente conhecidas como corais-sol, tais espécies possuem diversas características que as concedem alto potencial de dispersão e, desta forma, vêm sendo sistematicamente registradas, alterando a paisagem marinha e afetando o funcionamento dos ecossistemas invadidos. Na Ilha dos Búzios, litoral norte do Estado de São Paulo - onde estas espécies se estabeleceram em grandes densidades cobrindo em alguns pontos quase 100% do substrato consolidado - inúmeras mudanças na comunidade bentônica do infralitoral foram mensuradas. Em adição, mudanças significativas foram observadas no substrato inconsolidado adjacente aos costões com elevada concentração destes invasores. Colônias adultas de Tubastraea vêm, naturalmente, se desprendendo do substrato vertical e assentando-se nos sedimentos arenosos adjacentes, tornando-se substrato para outras espécies em um processo conhecido como "invasion meltdown". Consequentemente, diversas mudanças na paisagem arenosa vêm ocorrendo e, provavelmente, terão consequências significativas para as comunidades bentônicas destes fundos inconsolidados, assim como para os organismos pelágicos que os utilizam. Desta forma, através de amostragens periódicas e experimentos in situ manipulativos, este projeto, de caráter interdisciplinar, tem como principal objetivo avaliar as alterações nas comunidades de macrofauna bentônica decorrentes da deposição de colônias Tubastraea nos sedimentos inconsolidados. (AU)