Busca avançada
Ano de início
Entree

A prática com as âncoras melhora o controle do equilíbrio durante a locomoção em idosos?

Processo: 19/16277-8
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de fevereiro de 2020
Vigência (Término): 31 de janeiro de 2021
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Educação Física
Pesquisador responsável:Renato de Moraes
Beneficiário:Geovana Milani
Instituição-sede: Escola de Educação Física e Esporte de Ribeirão Preto (EEFERP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Assunto(s):Comportamento motor   Controle motor   Equilíbrio   Locomoção   Idosos   Análise espaço-temporal

Resumo

O aumento do risco de quedas em idosos está associado a déficits do equilíbrio principalmente durante o andar. O fornecimento de informação háptica por meio das âncoras é uma proposta bastante promissora para melhorar o controle do equilíbrio dinâmico em idosos, mas os benefícios da prática com as âncoras durante o andar precisam ser avaliados. O objetivo desse estudo será avaliar o efeito da prática com as âncoras no controle do equilíbrio dinâmico de idosos durante a realização do andar em uma trave de equilíbrio. Serão convidados a participar desse estudo 30 idosos, divididos em dois grupos: 0% (G0) e 50% (G50). Eles andarão sobre uma trave de equilíbrio em todas as três fases do estudo: pré prática, prática e pós prática. Na fase de pré prática, eles realizarão 5 tentativas sem as âncoras. A fase de prática será realizada durante 3 dias e em cada dia os participantes realizarão 30 tentativas. O G0 realizará toda a fase de prática sem as âncoras. O G50 realizará a fase de prática com as âncoras em 50% das tentativas. Quinze minutos após o final do terceiro dia de prática, os participantes realizarão a fase de pós prática imediata (um bloco de 5 tentativas sem o uso das âncoras para os dois grupos). A fase de pós prática atrasada será realizada no quarto dia de experimento (dois blocos de 5 tentativas sem as âncoras). Durante o uso das âncoras, os participantes segurarão em cada mão um cabo com uma massa de 125 g afixada na extremidade que fica em contato com o solo. Eles andarão e manterão as âncoras em contato com o solo de forma a arrastá-las. Assim, o cabo da âncora ficará tracionado e as alterações na tração serão percebidas pelo participante, obtendo informação háptica sobre a posição do corpo em relação à superfície de suporte. Serão avaliados parâmetros espaços-temporais da marcha e do tronco. Testes estatísticos serão usados para comparar o desempenho dos grupos.