Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação do potencial das rochas da Bacia Sedimentar do Paraná para armazenamento geológico de CO2: estudo do caso do complexo termoelétrico Jorge Lacerda, Santa Catarina

Processo: 19/07995-4
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de janeiro de 2020
Vigência (Término): 12 de maio de 2020
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Geociências - Geologia
Pesquisador responsável:Colombo Celso Gaeta Tassinari
Beneficiário:Maria Rogieri Pelissari
Instituição-sede: Instituto de Energia e Ambiente (IEE). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Geoquímica   Bacias sedimentares   Emissão de gases   Combustíveis fósseis   Carvão mineral

Resumo

A concentração atmosférica de CO2 tem alcançado níveis inéditos historicamente, associada a um aumento das emissões antropogênicas, principalmente ao uso de combustíveis fósseis nos últimos 100 anos. Dentre eles, a produção de carvão mineral relacionada à geração de energia em usinas termoelétricas se apresenta como uma das grandes vilãs na emissão de gases poluentes. Sabendo-se da atual tendência global de tentativa de redução na emissão de gases de efeito estufa, a tecnologia de Captura e Estocagem de Carbono (do inglês, Carbon Capture and Storage - CCS) tem se mostrado uma ferramenta interessante para tal. Ela consiste na captura de CO2 industrial, compressão, transporte e injeção em reservatórios em unidades geológicas, para estocagem permanente. Assim, o mecanismo do CCS seria uma alternativa eficaz no armazenamento de gases e, consequentemente, na redução global nas emissões atmosféricas. No entanto, é fundamental que se tenha total conhecimento das rochas reservatório a serem utilizadas para estocagem, dos processos e dos possíveis impactos, para que se tenha uma utilização segura dessa alternativa, sem oferecer outros tipos de riscos ambientais e sociais. Dessa forma, o presente estudo visa avaliar, a partir de informações geológicas e de análises mineralógicas, o potencial para estocagem de CO2 em rochas da Bacia Sedimentar do Paraná, emitido pelo Complexo Termelétrico Jorge Lacerda, o maior do Brasil e da América Latina, localizado no sudeste do estado de Santa Catarina, onde se concentram também grandes centros urbanos e zonas industriais consideradas importantes fontes de CO2. (AU)