Busca avançada
Ano de início
Entree

Intensificação do processo de extração de compostos fenólicos do bagaço do maracujá amarelo (Passiflora edulis SP.) utilizando tecnologias a alta pressão

Processo: 19/22783-3
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de fevereiro de 2020
Vigência (Término): 31 de janeiro de 2021
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Ciência e Tecnologia de Alimentos - Engenharia de Alimentos
Pesquisador responsável:Julian Martínez
Beneficiário:Júlia Frassetto Bonareti
Instituição-sede: Faculdade de Engenharia de Alimentos (FEA). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Assunto(s):Aproveitamento de subprodutos   Extração de líquidos   Compostos bioativos   Compostos fenólicos   Bagaços   Maracujá   Análise de variância   Teste de Tukey

Resumo

O aproveitamento de subprodutos agroindustriais é uma alternativa atraente para atenuar problemas ambientais e ao mesmo tempo serve como fonte para obtenção de compostos bioativos com alto valor agregado para indústrias alimentícias, de cosméticos e farmacêuticas. Dentre esses compostos podemos citar os polifenóis, que são encontrados em quantidades consideráveis no bagaço de maracujá, um subproduto resultante do processo de fabricação de polpas e sucos. A extração com líquidos pressurizados (PLE - Pressurized Liquid Extraction) é uma tecnologia limpa e eficiente capaz de extrair compostos de interesse a partir de matrizes vegetais. Nesse contexto, o objetivo deste trabalho é obter extratos com elevadas concentrações de fenólicos a partir do bagaço de maracujá utilizando PLE em temperaturas superiores a 70 ºC. O bagaço será primeiramente submetido à extração com CO2 supercrítico a 35 MPa e 40 ºC para remoção de seus compostos apolares. Na PLE será utilizada como solvente uma mistura de água + etanol (75:25, m/m) na temperatura de 70 ºC, 90 ºC, 110 ºC e 130 ºC e pressão fixa em 10 MPa. A melhor condição de extração será definida com base no rendimento global (X0), no conteúdo de fenólicos totais, no teor de piceatannol e na capacidade antioxidante, que será avaliada por ensaios FRAP e ORAC. Os resultados obtidos serão avaliados por análise de variância (ANOVA), em que as diferenças ao nível de 5% serão analisadas pelo teste de Tukey. Todos os resultados obtidos pelas análises químicas serão expressos pela sua média ± desvio padrão. Espera-se com esse projeto obter condições de PLE que intensifiquem a obtenção de compostos fenólicos do bagaço de maracujá.