Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação da atividade da ADAM10 em diferentes frações celulares

Processo: 19/26444-9
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de março de 2020
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2022
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Psiquiatria
Pesquisador responsável:Márcia Regina Cominetti
Beneficiário:Maria Patrícia Oliveira Monteiro e Pereira de Almeida
Instituição-sede: Centro de Ciências Biológicas e da Saúde (CCBS). Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR). São Carlos , SP, Brasil
Assunto(s):Doença de Alzheimer   Peptídeos beta-amiloides   Proteínas tau   Membrana plasmática   Geriatria   Biomarcadores

Resumo

A Doença de Alzheimer (DA) é o tipo de demência com maior incidência em nível mundial e também no Brasil, tendo como principal característica patogênica o acúmulo e agregação do peptídeo beta amiloide (bA) no cérebro, além de outros marcos patológicos, como a hiperfosforilação da proteína Tau. As duas moléculas em excesso ou com estruturas alteradas formam as placas senis extracelulares e os emaranhados neurofibrilares intracelulares, respectivamente. A ADAM10 (do Inglês A disintegrin and Metalloproteinase) é de grande importância para os processos celulares, como por exemplo, comunicação e sinalização celular, bem como na transmissão de sinais entre os neurônios. Esta proteína possui vários domínios, os quais são responsáveis por sua atividade e localização na membrana neuronal, por exemplo. Alguns trabalhos da literatura reportam que a ADAM10, quando inserida na membrana, é responsável pela clivagem da APP (proteína precursora do amiloide), evitando a formação do bA pela via não amiloidogênica de clivagem e sendo, portanto, alvo de muitos estudos. Assim, a forma ativa estaria ancorada às membranas, como por exemplo, nas plaquetas e células neuronais. Neste sentido, este projeto tem como objetivo avaliar a atividade da ADAM10 em diferentes frações celulares, como membrana celular e citoplasma, para comprovar essa hipótese. Os resultados deste estudo poderão auxiliar no melhor entendimento da fisiologia da ADAM10 e sua função como biomarcadora da DA. (AU)