Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação do fenótipo do tecido adiposo perivascular da aorta torácica durante o envelhecimento

Processo: 19/22941-8
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de fevereiro de 2020
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2020
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Farmacologia - Farmacologia Geral
Pesquisador responsável:Eliana Hiromi Akamine
Beneficiário:Abiqueila da Silva Alves
Instituição-sede: Instituto de Ciências Biomédicas (ICB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Biologia vascular   Doença crônica   Envelhecimento   Tecido adiposo perivascular   Resposta do sistema cardiovascular   Fenótipo   Aorta torácica   Modelos animais

Resumo

O envelhecimento está associado com o desenvolvimento de doenças crônicas, como as que acometem os vasos sanguíneos, tornando-se assim clara a importância do estudo de suas influências nas alterações vasculares que culminam em disfunções. O tecido adiposo perivascular (PVAT) circunda a maioria dos vasos sanguíneos e possui papel no controle das respostas vasculares por liberar substâncias que medeiam uma ação anticontrátil, que se encontra reduzida no envelhecimento. As características fenotípicas e as respostas encontradas no PVAT variam de acordo com a sua localização anatômica. O PVAT que circunda a aorta torácica possui características semelhantes ao do tecido adiposo marrom, sendo mais resistente à inflamação induzida pela obesidade do que o PVAT que se assemelha ao tecido adiposo branco. Contudo, alguns estudos mostraram inflamação no PVAT da aorta torácica de animais velhos. O envelhecimento está associado a uma redistribuição de tecido adiposo em todo o organismo, com redução do tecido adiposo marrom no depósito intraescapular e aumento do tecido adiposo branco visceral, mas se há mudança do fenótipo do PVAT nessa condição não é conhecido. Portanto, o objetivo do presente estudo é avaliar o fenótipo do PVAT da aorta torácica de camundongos que apresentam envelhecimento acelerado, SAMP-8, aos 3 e 8 meses de idade e se uma mudança do fenótipo se associa à inflamação e perda da ação anticontrátil. (AU)