Busca avançada
Ano de início
Entree

Papel das fibras sensoriais do rim nas alterações cardíacas e centrais no modelo de nefrectomia 5/6 em ratos wistar

Processo: 19/21759-1
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de fevereiro de 2020
Vigência (Término): 31 de janeiro de 2021
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Fisiologia - Fisiologia de Órgãos e Sistemas
Pesquisador responsável:Erika Emy Nishi
Beneficiário:Yan de Paula Donetti
Instituição-sede: Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Fisiologia cardiovascular   Sistema nervoso simpático   Hipertensão   Insuficiência renal crônica   Remodelação ventricular   Nefrectomia   Ratos Wistar   Modelo experimental

Resumo

O sistema nervoso simpático tem sido apontado como um importante alvo terapêutico para a hipertensão arterial (HA) através da denervação renal em pacientes e modelos experimentais. Estudos clínicos em pacientes com insuficiência renal crônica (IRC) têm demonstrado que a denervação renal, a qual destrói tanto fibras simpáticas quanto fibras sensoriais que inervam o rim, promove não apenas efeitos renoprotetores, como também melhora na função cardíaca e vascular. O objetivo do presente projeto é avaliar se a denervação apenas das fibras sensoriais renais pode melhorar alterações cardíacas e centrais envolvidas na manutenção da HA em ratos com IRC. A IRC será induzida pelo modelo experimental de nefrectomia 5/6 em ratos Wistar. Após 5 semanas da indução da IRC, os animais serão submetidos a denervação seletiva das fibras aferentes renais e, após 3 semanas, serão avaliados os seguintes parâmetros: pressão arterial, frequência cardíaca, sensibilidade do reflexo barorreceptor, espécies reativas de oxigênio nos núcleos pré-motores do simpático (PVN e RVL) e marcadores de hipertrofia e remodelamento cardíaco. Portanto, o presente projeto pretende avançar no entendimento dos mecanismos que contribuem para a HA e no desenvolvimento de novas estratégias terapêuticas na IRC. (AU)