Busca avançada
Ano de início
Entree

Efeito da utilização da moxaterapia na cicatrização de feridas em cães

Processo: 19/18031-6
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de dezembro de 2019
Vigência (Término): 31 de janeiro de 2021
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Medicina Veterinária - Clínica e Cirurgia Animal
Pesquisador responsável:Bruno Watanabe Minto
Beneficiário:Natalia Helena Meneguin
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias (FCAV). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Jaboticabal. Jaboticabal , SP, Brasil
Assunto(s):Cirurgia veterinária   Ferimentos e lesões   Cicatrização   Reparo tecidual   Exantema   Cães   Fenômenos biológicos   Morfometria   Avaliação terapêutica   Análise morfológica

Resumo

O processo de cicatrização e um fenômeno biológico essencial para a sobrevivência dos animais, sendo responsável pela regeneração e reparação tecidual, especialmente no tecido cutâneo. A pele fica exposta diretamente ao meio ambiente, sendo a primeira e uma das mais importantes barreiras contra a invasão de agentes patogênicos. Assim, estudar a cicatrização e encontrar meios de melhorar ou potencializar este processo e altamente relevante. A moxaterapia consiste na combustão da erva Artemisia vulgaris L., que e arranjada em um bastão denominado Moxabustao. Esta técnica milenar da medicina tradicional chinesa vem sendo utilizada de forma empírica na cicatrização tecidual, entretanto comprovações dos seus efeitos são escassas na literatura medica. O proposito deste trabalho será avaliar a ação e os efeitos da moxaterapia na cicatrização de feridas cirúrgicas limpas, realizadas na pele de dez cães submetidos a castração. Será realizada a analise morfológica e morfometria das lesões de acordo com presença e grau de edema, eritema, dor, prurido, secreção, vocalização a manipulação e evolução do processo de cicatrização. Além disso será feita a analise histopatológica do processo de cicatrização de acordo com o grau de colagenização, neovascularização, células inflamatórias agudas e crônicas, necrose, hiperplasia e reepitelizacão. Os resultados obtidos serão comparados a um grupo controle de dez cães, os quais não receberão moxaterapia.